Em entrevista ao site VICE, Hayley Williams contou um pouco sobre os altos e baixos da vida pessoal e profissional, suas colaborações e as artistas femininas que a cantora inspirou, com o lançamento de seu primeiro álbum solo, Petals for Armor.

Confira a entrevista traduzida:

Uma Hayley Williams de 18 anos de idade, abraçou os benefícios de uma atitude mental positiva. Em um vídeo autodidata de 2006, a cantora do Paramore, de cabelos flamejantes, escova os divórcios da família – problemas que ela sente como “bastante normais” – e diz, com um sorriso, que ser a pessoa mais positiva que ela conhece nunca a decepcionou. Antes de assinar o contrato, ela proclama que seus amigos são sua família.

Assisti aquele vídeo religiosamente como uma miserável fã adolescente do Paramore, querendo absorver um pouco da sua fé, por mais aspiracional que ela fosse. O que ninguém sabia na época era que ela tinha sido filmada na primeira grande encruzilhada de sua vida. Sua banda, Paramore, estava saboreando um sucesso maior e ela acabava de iniciar um relacionamento que “não era necessariamente o mais saudável” com seu futuro marido. “Eu estava realmente desesperada por pertencer e ser positiva e super forte”, lembra a ‘frontwoman’ ao telefone de sua casa em Nashville. “A mensagem para mim foi que se eu acredito nisso e quero isso para outras pessoas, então é genuíno e autêntico para mim. Eu gostaria de ter sido um pouco mais realista comigo mesma e muito mais gentil comigo mesma, não me envergonhando dos sentimentos mais sombrios que realmente ficaram comigo durante todos os meus 20 anos”.

Anos mais tarde, e apenas na casa dos 30, Hayley estava em terapia intensiva pela primeira vez e escrevendo um álbum solo, Petals For Armor, aquele que ela sempre jurou que nunca viria. Criada durante um ano de inatividade para a banda, a música se inclina para sua nova feminilidade, explorando sua depressão, seu desejo de família e suas experiências de solidão duramente conquistadas e agridoce após seu divórcio. Ela explica como chegou a um entendimento mais gentil e realista de si mesma no início de abril, enquanto está de quarentena sozinha, com seu cachorro, Alf, como companhia.

A busca pela família sempre foi parte integral da história de Hayley Williams. Quando ela era jovem, seus pais se divorciaram e sua mãe se casou com “um homem realmente horrível”. Ela e sua mãe fugiram para Franklin, Tennessee. Foi naquela cidade, onde se mudaram entre os quartos de hotel e um trailer, que Hayley foi educada em casa e Paramore foi formada, quando os membros estavam todos em sua adolescência precoce. Hayley foi contratada pela sua gravadora como artista solo, mas resistiu aos esforços deles para transformá-la em uma estrela pop de sucesso, insistindo que ela veio com uma banda. “Aprendi que a família escolhida era tão vital quanto a família de origem. E a minha família escolhida é a minha banda”, diz ela.
Foto por Lindsey Byrnes

Quase desde sua concepção, Paramore estava na capa de revistas de hard rock e tocava músicas sobre a mudança desde a formação da banda até seu ápice. “Não foi um ‘primeiro passo forte para os Paramore’, foi um salto na atenção das pessoas”, diz Beats 1 e o ex-DJ da ‘Radio 1’ Zane Lowe sobre a banda, comparando seu avanço com o do Linkin Park cinco anos antes. “Foi um estouro, do nada. Eles tinham um lugar na mesa quase imediatamente”.

Do punk pop angustiado do Riot! ao colorido balanço de sofrimento e otimismo que caracteriza o Brand New Eyes, sua música apelou para a imaginação dos adolescentes alternativos. A musicista britânica e amiga de Hayley, ‘Denai Moore’, lembra essa sensação como uma sensação de pertencer. “A música da Hayley sempre soou muito pessoal, mas sempre tem uma sensação mais ampla de esperança, o que, como adolescente, me fez sentir vista e cuidada através da música”, diz ela. Essa esperança, tão incomum quanto a cantora, diferenciou a banda e a colocou na frente de seus contemporâneos no rock alternativo do meio ao fim dos anos 2000.

Quando Zane Lowe entrevistou Paramore para Gonzo, o cultuado show britânico da MTV Music, ele esperava a mulher líder e explosiva de que tinha tomado conhecimento na banda. Ao invés disso, ele encontrou uma pessoa atenciosa. “Eu tenho essa lembrança de Hayley realmente tentando diferir dos outros membros da banda, para ser inclusivo quando eu faria perguntas”, diz ele. “Eu estou sempre desconfiado de ambientes como esse, quando você vê alguém que está na frente de uma banda e muito deliberadamente tentando entrar em segundo plano, eu fico tipo, o que está causando isso? É uma timidez? Não era isso, era isto: há algo acontecendo aqui com a dinâmica da banda e nós não vamos chegar ao fundo do poço com esta entrevista”.

Essa natureza democrática é apoiada pelo colega de banda Paramore da Hayley, também integrante da banda HalfNoise e amigo de infância, Zac Farro. “Ela sempre fez isso desde a primeira entrevista”, diz ele. “Haveria momentos em que seriam perguntas flagrantemente óbvias dirigidas a Hayley, mas ela ficaria ali sentada em silêncio até que alguém mais falasse. Ela até mesmo tornaria embaraçoso ao forçar o envolvimento de toda a banda. É uma maneira poderosa de administrar um negócio e uma banda e de liderar as pessoas”.

Hayley lembra-se de ser muito sensível em ser destacada: “Ser feminina e estar na frente de uma banda só de homens era como atirar sua alma para os lobos. As pessoas não sabiam como te entender – se seu suposto poder significava que elas deveriam ser intimidadas ou inspiradas. No meio de tudo isso, há apenas uma tensão. Às vezes eu não queria isso”. O que ela queria era que a banda fosse reconhecida como um grupo: por sua conexão entre si, ou pelo menos por sua capacidade de composição. “Todas essas críticas sairiam me pintando como uma espécie de ditadora em um ambiente de banda, ou como uma pirralha – é porque eu era uma mulher, realmente”, diz ela, calmamente, acrescentando que aprendeu muito com a experiência. “Não estou amargurada com isso, mas cresci entendendo que eu era uma criança pequena usando uma fantasia de demônio que eu não conseguia ver, mas todos os outros conseguiam”.

Comentários distorcidos da imprensa exacerbaram a verdade do assunto: que Hayley Williams queria o Paramore inteiro. Ela ri enquanto admite hoje, “Eu tenho tentado manter aquela família unida desde que eu era criança e nós obviamente passamos pelos nossos próprios altos e baixos — é como uma novela”.

Esta é a família Paramore no seu ponto mais forte: Hayley Williams, Zac Farro e Taylor York. Na noite anterior à gravação do vídeo “Hard Times”, Williams bebeu champanhe sozinha em um banho num quarto de hotel e ouviu seus companheiros de banda Zac e Taylor jogando pingue-pongue na varanda da casa ao lado. “Eu estava tão deprimida, e tinha uma garrafa inteira que tinha bebido na banheira e eu estava tipo, quero terminar isso porque não quero desperdiçar, mas também não me sinto bem e preciso dos meus amigos. Então eu fui lá e fiquei com Zac e Taylor e todos nós bebemos dessa garrafa de champagne e apenas choramos juntos”. No dia seguinte, a banda acordou, filmou o vídeo e Williams sentiu um caleidoscópio de emoções e uma alegria rara e fugaz.

Depressão e infelicidade conjugal transpareceram em “Hard Times” e as outras canções do After Laughter. “Acho que muita gente sabia que eu estava indo para o divórcio antes de mim. Não é sempre assim? Levamos tanto tempo para ver nossas próprias merdas, às vezes. Eu gostaria que a vida não fosse assim”, diz Williams, então continua brilhantemente, “e é aí que entram os verdadeiros amigos”.

No início de 2017, a cantora deixou o marido e a dolorosa relação, e eventualmente mudou-se para sua própria casa de campo, em Nashville, perto de Zac e Taylor. Terminar um álbum que exorcizou tantos sentimentos há muito tempo ignorados, foi uma missão para si mesma: “Minha adrenalina estava me empurrando e eu não percebi que estava abrindo portais para a honestidade comigo mesmo e com outras pessoas. Assim que aterrissamos aquela aeronave foi: merda, estou derretendo agora. Estou caindo aos pedaços”. Mas o seu “rude despertar” começou com força durante a promoção e turnê do After Laughter. “Comecei a notar raiva”, diz ela. “De vez em quando, durante todo esse ciclo, meio que insidioso. Era essa coisa que me espreitava, essa pequena sombra”.

A supressão da raiva levou a sintomas físicos. Os alimentos foram substituídos por álcool antes dos espetáculos. No entanto, entre a proximidade que ela sentia com seus companheiros de banda e a catarse de apresentar a nova música exposta, ela sentia uma curiosa liberdade. Isso se compara positivamente à turnê fracassada por trás do álbum Brand New Eyes de 2009, onde uma formação anterior do Paramore mal se comunicava: “Eu seria a sua cantora super-heroína e depois me sentiria como uma farsa, porque ninguém sabia pelo que eu estava passando ou pelo que os caras estavam passando. Eu me sentia como uma farsa total o tempo todo”. Uma honestidade radical que se tornaria luminescente em Petals For Armor surgiu na produção de Hayley neste momento – ela escreveu uma carta aberta sobre sua saúde mental e ruptura matrimonial, recorreu às mídias sociais para falar sobre depressão e revelou mais em uma única entrevista com um pequeno blog indie do que ela já teve.

Do ponto de vista de Deus, Zane Lowe tem visto o impacto de sua vulnerabilidade pública. “Ela inspirou muitas artistas femininas a se carregarem de uma maneira muito mais honesta e natural e direta e verdadeira”, ele diz. É verdade que como figura de proa do primeiro ‘emo’, agora ‘indie rock’, sua influência sobre uma geração mais jovem de mulheres compositoras como Phoebe Bridgers, Julien Baker e Lucy Dacus, todas elas com Petals For Armor, não pode ser subestimada.

Lindsey Jordan do Snail Mail se tornou uma pessoa empoderada por causa dela (“Hayley Williams foi um farol de inspiração, de luz brilhante”) e, embora ela não entre em detalhes, descobriu que Hayley compartilhando detalhes da terapia ajudou a enquadrar seus próprios problemas com os quais ela não lidou: “Esta entrevista específica causou um grande impacto em mim e, sinceramente, na forma como penso sobre mim e na forma como penso em me abrir na minha composição e expressão”. Sophie Allison, da Soccer Mommy, que viajou com Paramore, sente-se mudada de forma semelhante. “Eu tenho tentado ser aberta sem deixar que isso me faça ficar amarga — Hayley ser capaz de fazer isso é muito motivador”, explica Allison sobre sua própria composição e produção mais ampla. “É difícil dar tanto de si mesma para as pessoas e manter sua bondade, e manter a esperança de que as pessoas serão mais boas do que más em troca. Isso é algo que todos deveriam ver nela”.

Em sua nova casa, numa pausa planejada de um ano de Paramore, Hayley começou a terapia para depressão diagnosticada, estrésse pós-traumático e ansiedade. Ela descreve fazer perguntas difíceis a si mesma no isolamento. De sua raiva — nomeada como uma ‘coisa quieta’ em “Simmer” enquanto ela corre pela floresta, nua, em seu vídeo — ela diz: “Eu estava ciente disso por um tempo e ainda me fascina que você pode ter esses sentimentos maciços que estão alojados dentro de você em algum lugar e você não tem acesso a eles até que você se permita, até que você saia do seu próprio caminho”.

No âmago do seu trabalho terapêutico estavam as primeiras lembranças da separação de seus pais quando ela tinha quatro anos. Essa experiência foi uma bola de neve ao longo de sua vida adulta. “Eu realmente pensei ‘que coisa clichê a ser afetada — isso não pode ser minha cicatriz ou ferida emocional’, porque os pais de todos estão divorciados. Todo personagem na TV é divorciado”, diz ela. “Eu estava tão dessensibilizada com isso, que me senti tola sendo afetada por isso. E a verdade é que foi o momento mais crucial de toda a minha vida”.

Ela começou a processar o que a família pode significar, em ecos do que sua avó lhe disse depois que seus pais se divorciaram: nem todas as famílias moram juntas na mesma casa. “Sou grata pela ausência de limites da família e isso me permite ter mais esperança de poder criar um dia algo próprio, do meu sangue. E eu posso deixar que isso aconteça da forma que tiver que acontecer”.

Enquanto isso, seu terapeuta a encorajava a fazer música a partir de seus sentimentos. Os resultados, em Petals For Armor, mostram uma jornada feminina de cura, da raiva, à paz e à força. Seja no imaginário feiticeiro de “Why We Ever”, ou proclamando “Não estou sozinha / Estou livre” em “Cinnamon”, esta é a ode de Hayley à emancipação através da vida doméstica. A moradia é onde o feminino é historicamente suposto florescer (ou, pelo menos, ficar preso), mas em sua própria história, tem sido um local de desamparo ou agitação. Agora, através da música insular com influências ecléticas de Björk à Radiohead, ela celebra que ‘Lar é onde eu sou feminina / Cheira a citrus e canela’. As canções se movem entre os humores – desoladas e ocas até ‘funky’ e brincalhonas – como se ela estivesse se movendo de quarto em quarto.

Sem surpresas, as músicas foram escritas e gravadas em um ambiente doméstico. Hayley também fez todo o projeto colaborando com a família: Taylor York o produziu, Joey Howard, de Paramore e HalfNoise, fez o baixo, a amiga íntima Lindsey Byrnes trabalhou na direção criativa, e o parceiro de negócios e maquiador pessoal de longa data, Brian O’Connor desempenhou um papel importante na identidade visual do álbum.

Como diretora criativa da Petals For Armor, Lindsey filmou quase todo o visual na casa da Hayley ou em seu próprio estúdio em casa. De acordo com Lindsey: “Hayley realmente queria que as coisas se sentissem muito familiares”. Ela considerou que a Hayley surgiu com um visual drástico de cabelo e maquiagem para cada fase da Paramore, como criado com Brian O’Connor. Um dia, Hayley estava no sofá da Lindsey com a mão até a boca (na mão dela está uma tatuagem de três quadrados pretos, sobre as iniciais do ex-marido). Lindsey disse à amiga: “Vamos expandir isso e mostrar que você fez arte a partir de suas experiências, e você é uma soma de suas experiências e não tem vergonha delas”.
Com quadrados pretos adicionais pintados por Brian no rosto da cantora, a capa do álbum sugere uma linha pontilhada a partir das raízes dos dedos. O rosto de Hayley está prestes a desabrochar. “Eu queria algo que fosse 100% dela”, diz Lindsey. “Até a cor da fonte na capa do álbum é uma amostra dos lábios dela, é uma parte dela”.

O triunfo – e a beleza – do disco é como Hayley traduz especificamente o seu crescimento psicológico e emocional. Quando o escritor-produtor Steph Marziano voou para Nashville em julho de 2019 para co-escrever “Creepin”, “Over Yet” e “Taken” com Hayley e Joey Howard, foi para um “momento realmente caseiro”; um ambiente na casa de Hayley onde conversas intensas e significativas entre os três foram interiorizadas pela cantora e depois reveladas como letra e melodia. Durante uma sessão, Steph foi surpreendido por uma pergunta que Hayley fez: Se você está sempre ajudando o artista, o que acontece com você? Como você lida mentalmente com isso? “Como produtor, muitas vezes eu sou o terapeuta do artista. Sempre que eles estão contando sua história, eu devo ajudá-los a chegar à emoção disso”, diz Steph. “Com Hayley, todos nós estávamos compartilhando, o que mostra sua inteligência emocional”.

Petals For Armor está pronto para ser lançado, mas Hayley ainda participa de sessões de terapia (“Tento não exagerar porque você sempre pode ter muita coisa boa”) e reflete que o conselho oferecido naquele vídeo adolescente auto-fotográfico seria diferente hoje. Agora ela se permite sentir profundamente sem julgamento. “Eu passo por uma das depressões mais pesadas que jamais atingi em um único dia, seguida de um verdadeiro sentimento de paz e gratidão que eu nunca havia experimentado até recentemente”, explica. “Ser capaz de fazer malabarismos com esses dois extremos, ser capaz de dizer, ‘tudo bem que eu não me sinta bem’ e ‘eu não entendo como colocar palavras nesse sentimento’ ou que ‘na verdade agora eu me sinto tão esperançosa e grata’ tem sido muito importante para mim, e essa é mais a mensagem que eu gostaria de ter tido conhecimento mais cedo”.

Perto do final de nossa ligação, Hayley vai lá fora verificar sua caixa de correio. Como ela está lá fora, falamos sobre ‘Mulheres Que Correm Com Lobos’, uma enorme coleção de histórias que ela cita como uma grande inspiração para Petals For Armor, e uma que por acaso fomos ambos dados a ler por uma amiga.

Em sua história favorita, ‘Barba Azul’, uma garota é casada com um homem que se revela mau, tendo matado muitas esposas anteriores e mantido seus ossos atrás de uma porta secreta – uma porta que a mulher eventualmente abre. Hayley leu-a logo após o divórcio e encontrou-a “alterando a vida a nível celular”.

“Minha história seguiu essa analogia de um casamento, mas a parte em que ela abre aquela porta proibida e vê toda a carnificina e os destroços que estavam lá dentro e naquele momento seus olhos foram abertos e ela não podia mais fingir que aquilo não existia? Eu me relacionei com isso”, ela me conta.

A beleza do folclore, dos contos de correr pela mata nua e desenhar círculos no chão, é que suas metáforas são abertas à interpretação. Em ‘Barba Azul’, a esposa é salva pelos irmãos que a resgatam e matam o marido. Hayley ainda hoje é muito grata por muito, especialmente por seus dois irmãos escolhidos, Zac e Taylor. Mas ela leu essa metáfora como a mulher chamando uma parte de si que era capaz de aparecer e protegê-la, de matar o vilão do conto. “Ela me mostrou a importância da raiva e de ser capaz de reconhecer que vale a pena protegê-la – e depois lutar por essa pessoa”.

Paramore Brasil | Informação em primeira mão
Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *