Hayley Williams comenta faixa a faixa de ‘Petals for Armor’

Em sua nova entrevista via Skype ao site Pitchfork, Hayley Williams analisa cada canção de seu trabalho solo e profundamente pessoal :Petals for Armor.

Leia mais: A repercussão de ‘Petals For Armor’ nos principais veículos de comunicação do mundo

Confira a entrevista completa e traduzida na íntegra:

Em uma manhã de quarta-feira no início de abril, Hayley Williams fez um tour pelo Skype em sua bela casa em Nashville, onde ela está atualmente em quarentena com seu sempre presente cachorrinho Alf. Passando por uma sala cheia de plantas e com seu poster do Talking Heads autografado, Williams pega um violão castanho Gibson que ela uma vez salvou do sótão de sua avó. “Ela era casada com um cara não tão legal, e pertencia à família dele”, diz ela sobre o violão. “Ele era tão não tão legal que eu não me senti mal em roubá-lo”. Williams recuperou essa história, usando o instrumento enquanto escrevia as canções pop introspectivas que compõem sua estreia solo, Petals for Armor.

Aos 31 anos, Williams já passou mais da metade de sua vida como a líder e vocalista do Paramore, expressando frustração e descontentamento. Mas essa época complicada exigiu mais autorreflexão solitária. Petals for Armor coincidiu com seu divórcio e a tentativa de entender uma década de depressão profunda,  enquanto começou a desembrulhar os traumas encarnados e herdados. A terapeuta de Williams a incentivou a criar coisas através de tudo isso. O resultado é uma colagem de 15 faixas desenhadas igualmente a partir da força extasiante do início da carreira de Björk, do pop-R&B dos anos 80 de Janet Jackson e das texturas difusas de Radiohead. Petals for Armor é o som de uma mulher retornando de uma encruzilhada: A letra de Williams, variadamente mordaz e poética, traça sua jornada através da raiva estilhaçada em direção ao ajuste de contas pessoal e, finalmente, ao crescimento. É uma afirmação individual formidável, mas que não marca o fim do Paramore: seus companheiros de banda contribuem todos com o álbum, com o guitarrista Taylor York creditado como único produtor.

Ao fazer Petals for Armor, Williams enxergou sua vulnerabilidade como uma força e experimentou uma “enorme transformação” como pessoa. Ela soa agora naturalmente sábia, descrevendo como ela passou a valorizar, acima de tudo, uma sensação de conectividade consigo mesma e com os outros. Williams lançou Petals for Armor em três partes, cada uma com seu próprio EP, e vê esta trindade representando o fogo, a terra e a água. Com o projeto completo lançado agora, ela se aprofunda, iluminando os temas mais íntimos de Petals for Armor, em uma canção de cada vez.

1. “Simmer”

Pitchfork: A primeira palavra do disco é “raiva.” De onde sua raiva vinha?

Hayley Williams: Eu escrevi muitas das músicas deste disco enquanto dirigia. Eu estava no meu carro cantando, e a palavra “raiva” continuava surgindo. Eu sabia que tinha muita energia de fúria, mas não sabia de onde vinha ou para que ela apontava. Pensei que isso seria como a afirmação geral sobre raiva que todos nós temos, se a sentimos ou não, mas como eu continuava escrevendo, ela ficou muito pessoal rapidamente.

Percebi que tinha muito mais a aprender sobre mim e sobre a história da minha família. Acho que muito da minha raiva nasce de um trauma geracional. Tem sido um padrão para muitas mulheres da minha família, quase como se elas procurassem diferentes tipos de abuso. Estou mais velha agora, e minha mãe está mais disposta a falar sobre suas experiências e as experiências de sua mãe, e estou percebendo que venho de uma longa linhagem de mulheres sobreviventes. Eu nunca experimentei nada tão violento assim. Mas acabei causando muita dor a mim mesma e escolhendo pessoas que me causam dor. Então, a raiva é sobre sentir-se ao mesmo tempo impotente e ao mesmo tempo ter essa percepção de que minha raiva pode ser um catalisador para a mudança.

A compreensão que você teve sobre as mulheres da sua família me deixa curioso sobre a letra: “Se meu filho precisasse de proteção / De um filho da puta como aquele homem/ Porque nada machuca como uma mãe”.

Eu estava em uma sessão de terapia, relembrando uma das minhas primeiras memórias vívidas e não foi muito positiva: Eu tinha 4 ou 5 anos, estava em pé entre os meus pais enquanto discutiam. A reação que tive internamente durante foi esse mesmo instinto maternal de pegar um bebê inocente e abraçá-lo e protegê-lo. Esse sentimento corria pelo meu corpo: Eu não pararia em nada para manter esta criança segura. Eu me sentia fortalecida por uma esperança e uma capacidade de cuidar dessa parte inocente de mim que precisava de mais proteção.

Você canta “envolva-se em pétalas para armadura” O que essa frase significa para você?

Quando soube que iria me divorciar, decidi fazer uma abordagem mais holística da terapia, fazendo trabalhos corporais e energéticos, qualquer coisa que eu pudesse tentar curar o trauma no meu corpo. Comecei a ter visões onde eu estava tão nojenta, coberta de terra e sujeira e havia videiras e flores. Minha primeira reação a isso foi: “Estou tendo uma visão de mim como um cadáver em decomposição.” Mas ao perceber os sentimentos no meu corpo, percebi que estava muito viva. Todas as coisas que eu estava sentindo eram verdades que eu não havia aceitado até então. E enquanto eu as despertava e sentia a dor, essas coisas lindas estavam crescendo a partir dali. As imagens florais se tornaram realmente vitais para mim. Comecei a encher a minha casa de flores e coisas vivas. Às vezes eu também mantenho flores mortas ao meu redor.

À medida que fui me aprofundando no meu trabalho, se tornava mais uma questão de aceitação e vulnerabilidade à minha dor e ser gentil ao invés de deixar que ela me aborrecesse. Eu não parava de pensar: Por que eu tenho tentado ser tão forte por tanto tempo? Sempre tentei ser mais durona do que qualquer um – num palco, na minha vida real, não importava onde. A maneira como eu consegui atravessar as coisas foi como atravessar paredes. E isso não funciona depois de um tempo. Não é o caminho a seguir.

2. “Leave It Alone”

Esta é uma faixa temática sobre como lidar com a perda e sua letra é muito direta: “Agora que eu quero viver / bem, todo mundo ao meu redor está morrendo”.

Começou como um poema no meu diário. Eu o escrevi para minha avó, que caiu e teve um traumatismo craniano que a deixou com uma demência bastante grave. Ela fez 80 anos no dia em que eu fiz 30, e no dia seguinte ela caiu das escadas da minha mãe, e foi uma sensação cruel. O luto e a tragédia podem clarear um monte de coisas que talvez estivessem borradas antes. Eu ganhava muita clareza naqueles dias, quando ia visitar minha avó no centro de reabilitação. Aqueles impulsos eram brutais, e eu chorava e gritava muito por Deus. É difícil pensar no quanto eu estava com raiva agora. Isso fez com que muitos dos meus medos mais profundos acordassem e percebessem que nós perdemos pessoas. Todo o primeiro EP é como uma bola de fogo furiosa. Quase como a camada superior enquanto você está cavando na terra, e foi muito difícil para mim passar por isso e sentir que ficou mais suave e finalmente descer à água.

Nessas duas primeiras músicas, você fala de raiva de forma sutil ao invés de gritar. O que te fez querer interpretar dessa maneira?

Eu acho que a raiva é a mais concentrada quando ela está apenas no limite de estar fora de controle, antes do ponto de ebulição. Eu passei muito tempo gritando para as paredes. Às vezes a parede era uma pessoa em alguma posição de autoridade na minha vida. Às vezes, era eu mesma. Eu gastei muita energia gritando, mas isso na verdade não mudou nada. O que mudou as coisas foi poder falar a minha verdade com convicção. Mas eu acho que a raiva me trouxe até lá.

3. “Cinnamon”

Esta é uma das músicas mais funk que você já fez, e a maneira que progride não é convencional. Como ela surgiu?

Um dia fui ao estúdio do Taylor, ele tinha comprado um mini kit de bateria e comecei a tocar esta batida. Eu estava tentando usar o kit de uma forma que parecia que o ritmo estava tropeçando. Nós usamos um sample vocal, e eu me deitei em um sofá e cantei os ah’s: “ah, ahhhh, ahh”. Eu gosto de fazer merda com meus vocais primeiro porque depois quase tudo que você acrescenta tem essa qualidade terrena, pessoal – e eu sou de um signo de terra. “Cinnamon” foi como uma experiência transcendente, porque nós apenas seguimos a canção enquanto ela se desdobrava: “Ok, vamos embelezar essa batida legal e transformá-la em uma nova” e depois, “O que Janet Jackson faria?” Esta música foi para todos os lados e nós deixamos.

Eu encontrei uma letra antiga que eu tinha escrito, que na verdade era para ser no violão, muito sonora. Ela falava sobre uma visão da minha casa quando eu me mudei e as paredes estavam vazias. Mudar-se para minha casa parecia uma nova descoberta o tempo todo. Eu estava me descobrindo realmente.

O que significa para você ter uma canção sobre domesticidade solitária e autodeterminada?

Eu estou vivendo esta música de forma muito autêntica agora. Venho de um relacionamento que não foi saudável de longa duração, foi um grande alívio para mim acordar sozinha e poder decidir por mim mesma como é uma manhã na minha casa. Todas as manhãs tinham esse cheiro de limão, água quente e ervas aromáticas.

Há uma letra sobre conversar com seu cachorro.

Ele foi meu primeiro terapeuta. E ele ainda é o meu terapeuta favorito.

Você também canta a palavra “feminino” na canção. Você acha que seu disco soa particularmente feminino?

Eu espero que sim. Eu gostaria que fosse. Muitos de nós crescemos com a dualidade do masculino e do feminino – há tanto dentro deles, mas também além deles, e qualquer um de nós pode aproveitar qualquer um a qualquer momento. Mas eu acho que há feminilidade em tudo. Há uma música do Big Thief onde Adrianne canta: “Há uma mulher dentro de mim / Há uma dentro de você, também / E ela nem sempre faz coisas bonitas”. Essa música foi uma bela abertura de olhos para eu entender que há um valor feminino para tantos seres vivos. Eu me sinto mais ligada a ela do que me sentia antes.

Eu cresci escrevendo e tocando com o Paramore, que é naturalmente baseado na receita que fazemos como [baterista] Zac [Farro] e Taylor e eu. Taylor tem instintos incríveis como escritor e produtor, e eu conto com isso, especialmente com o Paramore. Mas fazendo muitas dessas músicas, ele direcionou a energia para meus instintos pessoais e perguntou: “O que você faria aqui?” Ele verdadeiramente me deu poder.

4. “Creepin’”

Mike Weiss da banda de post-hardcore mewithoutYou toca guitarra nessa música. Eles foram um grupo inspirador para você?

Absolutamente. MewithoutYou foi um dos primeiros shows que eu fui sozinha, quando eu tinha 13 anos. Minha mãe me deixou em um local em Nashville e me deixou entrar com o dinheiro que eu tinha ganho trabalhando na loja do meu pai. Comprei um álbum, uma camisa e dei gorjeta. Foi um grande momento para mim.

Eles também têm uma relação interessante com a fé. Crescendo como uma criança de uma igreja Batista do Sul, eu tinha muitas perguntas, e [o vocalista do mewithoutYou] Aaron Weiss foi muito direto em seu questionamento da autoridade de Deus e da igreja. Como uma pessoa jovem no Sul, isso foi muito impactante. Sem mencionar que eles estavam tocando essa música incrível e angustiada em forma de Fugazi que eu precisava. As pessoas ficam muitas vezes chocadas que eu e os caras [Paramore] não crescemos no pop-punk. Nós ouvíamos coisas mais pesadas, mais escuras: Deftones, Failure, Year of the Rabbit, Thursday e coisas mais introspectivas como Kent e Sunny Day Real Estate. Essas foram as coisas que me construíram. Essa merda fala comigo ainda.

5. “Sudden Desire”

Essa altivez na voz me lembra a Björk.

Quando Joey [Howard], que toca baixo em Paramore, e eu estávamos escrevendo a música e ele começou a tocar aquela linha de baixo do refrão, pareceu muito Björk em “Army of Me”. Naquele momento eu achava que não ia cantar muito nesse disco. Foi quando percebi: “Oh, merda, eu ainda tenho isso em mim e estou indo nessa direção”.

Parece que você está cantando sobre um sentimento reprimido. “Não sei se posso negar / Um desejo inesperado.”

Por muito tempo eu não sentia que tinha acesso à minha sexualidade. Eu legitimamente perdi meu ciclo menstrual por um ano devido ao estresse. Entrar em um relacionamento sério aos 18 anos em que estive por 10 anos não foi uma situação saudável e isso realmente impactou minha autoestima e meus desejos. Tive muitos danos psicológicos e senti muita vergonha em certas partes da minha vida.

Voltar para o meu próprio corpo foi um sentimento poderoso. A verdade é que eu achava que nunca mais ia querer estar física ou emocionalmente envolvida com alguém. Eu pensei que tinha acabado. Estou confortável com a ideia de ser solteira, mas quando eu estava acordando para novos desejos e me sentindo como, “Eu posso estar me precipitando de novo…” isso me excitou. E me assustou também.

6. “Dead Horse”

Ela abre com uma nota de voz onde você fala sobre como estava em depressão, tentando sair dela. Essa nota de voz era real?

É definitivamente real – espere, Alf tem algo na boca. Falando no Alf, uma das razões pelas quais mantive a nota de voz foi que ele latiu ao fundo. Era quase como se ele soubesse que ia conseguir entrar no disco. Eu estava no meu banheiro gravando uma nota de voz para meu amigo, Daniel James, com quem escrevi a música. Eu tinha dito a ele três dias antes: “Eu tenho a melodia e a letra, vou mandar uma nota de voz e nos encontraremos em breve”. Mas eu caí neste buraco louco da minha própria tristeza e não consegui sair dele. Esta música é como se meu eu de 20 anos finalmente conseguisse escrever a letra e dizer coisas que ela realmente precisava dizer, mas levou até os 30 anos para fazer isso. É muito rude, mas eu queria mostrar que foi preciso me sentir como uma casca de uma pessoa para poder falar sobre meus sentimentos. Esta canção me fez sentir como se estivesse arrancando uma rachadura muito profunda.

7. “My Friend”

Essa música é principalmente sobre o meu amigo Brian. Ele e eu dirigimos uma empresa de cuidados com o cabelo juntos e nos conhecemos desde quando eu tinha 17 e ele 19. Nossa amizade passou por tantas etapas, e nós passamos por algumas merdas muito pesadas juntos. Nós dois passamos por divórcios no mesmo ano. Nós somos como Thelma e Louise: Sinto-me como se fosse atirar de um penhasco com ele se chegasse a isso.

8. “Over Yet”

Esta música é tão animada – soa como um hino motivacional de treino dos anos 80.

Eu me sentia um pouco piegas escrevendo essa letra. A única maneira de terminá-la foi imaginando um filme no qual eu sou uma instrutora de aeróbica no apocalipse: Estou gritando por causa de música alta… “Continue! Vamos!” – mas então uma parte do meu rosto cai, e na verdade eu sou uma máquina. Eu tive que acessar uma parte escura de mim mesmo para escrever esta música super positiva. Durante anos, todas as críticas dos shows do Paramore me compararam a uma instrutora de aeróbica, então estou tentando ter um ciclo completo e rir um pouco disso.

9. “Roses/Lotus/Violet/Iris”

Todas as três integrantes do boygenius — Phoebe Bridgers, Julien Baker, and Lucy Dacus — fazem os vocais de apoio nessa música, uma ode impressionista à feminilidade.

Fiquei muito honrada. São três mulheres realmente importantes em nossa cena musical que estão contando verdades de maneiras únicas. Elas são todas tão engraçadas, tão boas de estar por perto e boas pessoas.

Eu realmente queria escrever poeticamente sobre ser uma mulher e me relacionar com outras mulheres, especialmente estar em uma indústria na qual as mulheres são colocadas umas contra as outras, mesmo paradas. Na minha vida pessoal, durante anos eu senti que não confiava na relação que estava, o que me levou a sentir que não podia confiar em ninguém ao meu redor, especialmente em outras mulheres. Era uma merda. Ao chegar aos meus 20 anos, conheci muitas esposas de meus amigos ou outras mulheres na estrada – Bleached, Best Coast, Jay Som, Soccer Mommy – e eu estava cercada de mulheres que fazem a mesma coisa que eu, pessoas com quem posso me relacionar. Esta é uma canção sobre mim, descobrindo quão poderosa e profunda é a conexão entre mim e outras mulheres na minha vida.

Crescer em um cenário musical tão masculino – especialmente na Warped Tour, onde era tão fácil interiorizar a misoginia que estava em todo lugar – foi um momento em que você sentiu como se sua consciência feminista estivesse se evidenciando?

Cara, foi uma combustão lenta. Primeiro eu tinha que perceber o quão profundamente eu tinha interiorizado tudo isso. Começou, eu acho, com o meu reconhecimento de alguns dos meus pensamentos retrógrados sobre “Misery Business”. Parte da razão pela qual nos aposentamos foi porque eu não conseguia mais fazer as pazes com e não conseguia mais me identificar com eles. Isso foi o começo de reconhecer o que estava errado e depois encontrar o que está certo e descobrir como implementar isso em minha vida.

Eu não diria que crescer sendo uma garota na Warped Tour foi profundamente prejudicial para mim. Eu tive uma experiência muito legal quando era adolescente. Dito isso, também houve momentos sombrios. Eu recebi preservativos jogados em mim, e as pessoas gritavam coisas horríveis da plateia. Na época, minha maneira de lidar com isso era: “Bem, eu sou um dos caras, que se foda”, cuspindo de volta o que eu pudesse e sendo esperta. E apenas tocando mais e melhor do que eu pensava que qualquer um dos outros caras da turnê poderia. Eu só tentei ser a melhor. Eu tentei não deixar nenhuma dessas outras merdas me atrapalharem. Mas não era a resposta final. Isso realmente não fez da minha vida melhor. Agora eu sou capaz de ser um pouco mais gentil comigo mesma e isso só me faz sentir como uma pessoa mais conectada, mais forte.

10. “Why We Ever”

Esta é uma música de um R&B groovy, mas parece que está lidando com uma sensação de desconexão.

Quando o primeiro pedaço desmoronou, minha terapeuta me disse “você precisa estar fazendo coisas”, porque eu posso realmente empurrar a merda para bem longe. Eu estava tão fundo na minha depressão, que ainda não entendia as coisas Então Joey foi comigo ao Guitar Center, e nós nos encontramos com nosso representante que ajuda Paramore antes das turnês. E eu pensei: “Olha mano, estou deprimida, estou prestes a largar todo o meu dinheiro aqui e aprender [a mexer no programa de produção de áudio] Pro Tools”.

“Why We Ever” foi a primeira vez que eu gravei sozinha. A primeira demo da música é meio ruim – eu tive que usar minhas pisadas no chão como bateria porque eu a minha não estava montada. Mas sempre que você está realmente deprimido, para conseguir qualquer coisa é uma vitória massiva. Esse foi um momento crucial para mim. Eu não sabia que ia fazer um disco que as pessoas iriam ouvir, mas eu sabia que iria fazer coisas a partir do que eu estava passando.

Eu me sentia muito solitária. Eu tinha sido super sabotada – na minha vida pessoal enquanto tentava começar de novo depois do meu divórcio. Eu tive a oportunidade de estar em um relacionamento promissor, mas por causa das minhas experiências passadas, eu não me permitia cultivar essa coisa que poderia ter sido boa. De certa forma, era parte do catalisador para a minha cura, porque eu tinha que entender porque eu faria isso. Não era tão simples quanto: “Bem, eu me divorciei e estou com medo de outra separação”. Foi muito mais profundo que isso. Foi preciso muita terapia e muitas conversas com minha mãe para tentar entender quais foram as minhas primeiras experiências amorosas. Acontece que eu tenho muito medo do abandono.

11. “Pure Love”

Você canta sobre ser “experimental” com alguém, o que obviamente poderia ser interpessoal, mas parece aludir à música também.

Isso tem muito a ver comigo superando meu medo da intimidade e aprendendo novas maneiras de me conectar com alguém, tentando me deixar sentir desconforto como ser humano para poder crescer. Eu nunca me importei que a letra da terceira parte do álbum se tornasse uma insinuação. Eu fiquei muito feliz em ter isso. Então “ficar experimental” em um relacionamento – as pessoas podem levar isso sexualmente se quiserem, mas eu realmente vejo isso como: Eu nunca tentei ter um relacionamento saudável antes em toda a minha maldita vida. É hora de eu tentar o que é se comunicar em um nível adulto de verdade.

12. “Taken”

O que significa para você ser “comprometida” no contexto de ser livre?

A vergonha sempre foi como uma bagagem que eu carregava por aí, e houve um ponto em que percebi que não queria mais carregá-la; fiquei muito cansada de sentir como se estivesse em areias movediças no meu relacionamento. Esta música é muito brincalhona porque o tipo de relacionamento pelo qual estou me esforçando é aquele que parece mais leve. Com algo dessa música, eu talvez esteja clamando algo que eu ainda não incorporei totalmente. Mas eu tenho esperança de que eu posso chegar lá. Duas pessoas únicas tentando se juntar, como nós fazemos isso? Eu não sei como as pessoas fazem isso funcionar, mas eles fazem. E eu acredito que eu posso ser uma dessas.

13. “Sugar on the Rim”

O refrão dessa me lembrou Nine Inch Nails.

Quando Taylor e eu estávamos escrevendo essa, ele olhou para mim enquanto batia numa máquina de tambores e disse: “Que merda estamos fazendo agora? Que tipo de música nós estamos fazendo?” Eu fiquei tipo: “Cara, eu não sei. Mas definitivamente não é como nada que já fizemos antes”. Estou tão curiosa com o momento da rave scene em Nova York porque estava muito além da minha realidade quando eu estava crescendo no Mississippi nos anos 90. Sendo uma musicista, temos acesso a essa casa enorme e podemos ou ficar em um quarto e ficar confortáveis, ou podemos continuar a encontrar novas portas e entrar e descobrir o que esse quarto traz de nós. Para mim, tentar ser humilde e se manter desconfortável da maneira correta é o segredo para permanecer curioso e criativo.

14. “Watch Me While I Bloom”

Você canta sobre sentir-se com sorte por estar no seu corpo novamente – você se lembra do começo desse sentimento?

Parte disso foi recuperar o meu ciclo menstrual. Meu corpo foi apenas um conceito estranho para mim por um tempo, então sentir-me biologicamente conectado a mim mesma novamente foi poderoso. O ano inteiro de 2017, meu único objetivo era ganhar de volta algum peso que eu havia perdido devido à ansiedade e aos mecanismos de lidar com ela que não eram saudáveis para mim. Tem sido apenas uma temporada da minha vida em que me sinto como se estivesse: “Puta merda. Estou voltando a mim mesmo. Isso é uma loucura.”

Há uma imagem sugestiva da terra e do solo: “Se você sente que nunca vai alcançar o céu / até você puxar suas raízes, deixe sua sujeira para trás…”

A letra é minha parte favorita na composição de canções, e eu amo tanto esse verso, estou muito orgulhosa dele. Eu tenho essa coisa onde eu amo as segundas-feiras. Eu amo 1º de janeiro. Eu gosto de novos começos. Eu às vezes preciso disso para me impulsionar a mudar. Isso pode me levar a procrastinar, porque estou esperando pelo momento certo, e às vezes a vida simplesmente não vai te dar essas oportunidades. Você tem que se levantar enquanto ainda está coberto de lama e descobrir algo por si mesmo.

15. “Crystal Clear”

Que sentimento você queria evocar no final do álbum?

Se apaixonar. Ênfase na paixão – porque apesar do meu medo, minha dureza ou qualquer resistência à vulnerabilidade, não pude deixar de me apaixonar.

Todos do Paramore tocam neste último par de músicas, também.

Eu sinto que a permissão que nos demos para fazer After Laughter é o mesmo tipo de permissão que nos demos em Petals for Armor. Isso me deixa empolgada em relação a onde Paramore poderia seguir. Às vezes conversamos sobre como sentimos falta de música com guitarra. E às vezes falamos sobre como somos obcecados por Aphex Twin, e como seria ridículo se estivéssemos todos no palco com diferentes sintetizadores e máquinas. O legal é que isso não importa, porque nós podemos fazer qualquer coisa. Por mais que estejamos dispostos a aprender e crescer, é o máximo que podemos ir.

Tradução feita por Rita Nogueira, equipe Paramore Brasil.

Paramore Brasil | Informação em primeira mão
Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

Rita Nogueira

Wrap yourself in petals and follow me on Instagram! @rtnog