Em nova entrevista, Hayley Williams se abre para El Hunt, da revista NME, ao falar sobre morte, feminilidade, divórcio e seu primeiro álbum solo ‘Petals for Armor’, lançado oficialmente hoje (08/05).

Leia mais: Hayley Williams comenta faixa a faixa de ‘Petals for Armor’

Confira a entrevista traduzida:

“Adoro flores”, diz Hayley Williams, uma das vocalistas mais distintas de sua geração. A cantora bombástica do Paramore, depois de uma série de crises pessoais e profissionais muito públicas, se destaca sozinha com seu primeiro álbum solo, o apropriadamente intitulado ‘Petals For Armor’. “A mais antiga metáfora do renascimento e da resiliência”.

Como a maioria das pessoas, Williams está escondido em casa devido ao confinamento. “Eu gosto que a minha casa pareça que uma avó inglesa com um lindo jardim possa morar nela”, diz ela, dando à NME um passeio improvisado e mostrando vários buquês – hortênsias do lado de fora, flores frescas na cozinha, um ramo seco que ela recebeu pelo seu 31º aniversário – por vídeo-chamada. Alf, seu adorável dinossauro dourado, ronca no chão.

Essas idéias de renascimento e resiliência estão no centro do novo disco de Williams – lançado hoje (8 de maio) – cujo título oferece uma imagem marcante de se tornar mais forte envolvendo-se em delicadas pétalas de flores. Trata-se de vestir a sua vulnerabilidade por fora, evidente para todos verem, um conceito que ela escava no topo do pop inquieto e emaranhado. Mesmo nos momentos mais íntimos do álbum – os ganchos de ‘Dead Horse’, por exemplo – a escuridão projeta uma sombra em cada nota açucarada. Depois de anos de dificuldades, Hayley Williams deixa de se esconder.

Paramore se formou quando ainda eram adolescentes em Franklin, Tennessee, em 2004, e rapidamente se tornaram os queridinhos do cenário do rock alternativo. Primeiro surgindo como a grande esperança do selo alternativo Fueled By Ramen – lar de Twenty One Pilots e, na época, Fall Out Boy – a banda foi rapidamente impulsionada para o mainstream; seu incendiário pop-punk viajou do circuito Warped Tour para o topo das paradas.

E, sim, nos bastidores, a Paramore tem resistido a mais do que a sua cota de tempestades. Em 2009, após o lançamento de seu terceiro disco ‘Brand New Eyes’, os irmãos Farro – o baterista Zac e o guitarrista Josh – deixaram a banda dramaticamente, compartilhando uma amargurada declaração de saída no processo. Quatro anos mais tarde, sobre os calcanhares do louvado álbum autointitulado do grupo, o baixista Jeremy Davis saiu. Nesse mesmo verão, até mesmo Williams secretamente desistiu. Por um tempo, o guitarrista Taylor York foi o único membro restante do Paramore. Williams mais tarde descreveu 2015 como “o pior ano” de sua vida.

“De fora, ‘Paramore’ foi nosso disco de maior sucesso”, diz ela agora. “Nós ganhamos um Grammy de Melhor Música de Rock por ‘Ain’t It Fun’ e eu fiquei noiva – toda essa merda insanamente legal estava acontecendo”. Todos esses marcos deixaram Williams sentindo-se vazia, no entanto. “Passei a maior parte da minha vida tentando ser à prova de balas e insensível”, ela se arrepende. “Aprendi mais ao ficar bastante desamparada depois disso”.

“Sua mais profunda tristeza e sua alegria mais intensa – tudo isso pode acontecer junto”

Com o álbum mais recente do Paramore, ‘After Laughter’, de 2017, que trouxe Zac Farro de volta à banda, Williams começou a enfrentar essa dor. O Paramore criou um novo disco inspirado no new-wave, um neon-hued que chocava melodias claras com letras esmagadoramente escuras.

“Eu diria que em uma boa metade desse álbum, eu estava realmente em negação da minha depressão”, diz Williams. Como se ela não tivesse tido o suficiente para enfrentar, também estava no meio de um divórcio com Chad Gilbert, guitarrista da banda pop-punk New Found Glory. A turnê ‘After Laughter’ se tornou uma experiência intensa e muitas vezes cansativa. “Deus, houve um par de vezes em que eu estava chorando demais antes dos shows”, admite ela.

Ainda assim, Williams se agarrou aos pontos positivos durante aquela turnê (e se lembra particularmente de uma noite em Berlim, quando a banda e a equipe “se reuniram ao meu redor para me fazer aguentar a passar a noite”, depois que ela anunciou publicamente seu divórcio). “O que sempre me surpreendeu”, diz ela, “foi que quando as luzes se acendiam – mesmo que eu ainda pudesse sentir o peso – a verdadeira alegria se instalava. Era confuso! Só agora, em retrospecto, consigo entender. Eu estava começando a aprender que, como ser humano, uma das lições mais difíceis e vitais é: aprender a segurar esses dois extremos. Abra espaço para a sua mais profunda tristeza e sua alegria mais brilhante. Tudo isso pode acontecer junto”.

Hayley Williams como capa da NME

Três anos atrás – no mesmo mês em que Paramore lançou ‘After Laughter’ – Hayley Williams se mudou para a casa de campo onde ela está falando com a NME hoje. Ela queria começar de novo. Foi de uma forma ruim quando ela se mudou pela primeira vez, mas ela foi atraída mesmo assim. “Esta casa estava infestada de morcegos, estava suja…”. diz Williams. “Era como eu na época”. Ela ri com muita gargalhada. “Precisava muito de um exorcismo”.

Ao chegar, ela não sabia como queria que sua vida fosse. Tendo saído da fazenda onde morou com seu ex, Williams se deparou com uma lousa em branco. “Eu tinha comprado [aquela casa] porque pensei: ‘Esta vai ser minha vida, e talvez eu tenha filhos aqui'”, diz ela agora. “Eu ia mesmo ser domesticada”. Este lugar, acrescenta ela, “ressoou muito mais com o meu espírito”.

Fora da câmera, há uma súbita perturbação – Alf despertou. “O que você está ouvindo, amigo?” ela pergunta-lhe. Depois de um breve tumulto, ela o solta para o jardim. “Caramba”, exclamou Williams depois, voltando a cair no sofá. “E agora os vizinhos acordaram”.

Certamente parece que Williams criou seu próprio santuário, liberto do peso do que outras pessoas esperavam dela. “Sim”, ela acena com a cabeça. “Não se tratava de tentar me encaixar nesse papel de quem eu acho que deveria ser. Há mais textura aqui, um pouco mais de cascalho. Há algo para eu cuidar”.

‘Petals For Armor’ apresenta algo de uma canção de amor para esta nova casa – ‘Cinnamon’ detalha dias tranquilos e contentes passados conversando com Alf, cheiros picantes à espreita na cozinha, e tomando o café da manhã nu e sozinha, só porque ela pode. “O lar é onde eu sou feminina”, canta ela. E como um todo, este novo projeto tem muito a ver com o Williams batendo num tipo de feminilidade crua e ameaçadora – onde a raiva não é apenas válida, mas necessária.

“O que o nosso corpo faz por natureza é bárbaro”, ela aponta. “Ter uma personalidade de doçura que é segura para as pessoas? Isso não é feminilidade. A feminilidade é muito mais perigosa do que isso”. Ela sorri. “Eu vivo para essa parte”.

Williams acrescenta que um conto folclórico francês chamado Barba Azul “mudou minha vida”. O conto diz respeito a uma jovem mulher que foi casada com um homem controlador. Desobedecendo-lhe, ela abre uma porta proibida em sua casa. Dentro desta sala de contos de fadas, ela encontra a horrível verdade – Barba Azul assassinou todas as suas esposas anteriores. Ela é a próxima. E assim, com a ajuda de suas irmãs, ela o mata e herda seu castelo. A história é um chamado alegórico para questionar e desobedecer às regras patriarcais.

“Como mulher, eu sentia que era importante me distanciar de ‘Misery Business'”.

Barba azul mudou toda a minha percepção do porquê de eu ter que deixar uma situação tóxica”, explica ela, “e porque eu precisava descobrir de onde vinha a minha voz – como ela soava, qual o seu sabor. As pessoas não gostam muito de mulheres revoltadas. Mas as mulheres revoltadas trouxeram tantas mudanças maravilhosas para a sociedade. É julgada tão rapidamente, mas a raiva das mulheres tem sido um catalisador para coisas bonitas, e não precisa ser retratada como monstruosa”.

Ao fazer seu primeiro disco solo – 17 anos de carreira musical – ela também se viu confrontada com outras expectativas em torno de como deveria ser um álbum solo de uma vocalista. Pouco antes de lançarem ‘Brand New Eyes’, ainda na onda final do álbum ‘Riot!’, Paramore apoiou a No Doubt em sua turnê pelos EUA. Comparações entre as duas bandas têm persistido desde então. No Doubt e Paramore têm uma coisa em comum – elas são ambas lideradas por mulheres, a primeira por Gwen Stefani – mas isso é sobre a extensão da sobreposição.

Referindo-se ao sucesso de Stefani em 2004, Williams admite: “O que eu pensava que as pessoas iriam esperar [do meu trabalho a solo] era outra ‘Hollaback Girl’. Para ser realmente franca – e não quero dizer isso de forma ofensiva – eu realmente não queria ser como a Gwen”.

Ela continua: “Eu senti muita ansiedade em relação a isso… as pessoas querem um grande disco pop? E se não for isso, e for uma decepção? Quando eu acabei escrevendo algumas músicas que eram mais pop e dançantes como ‘Dead Horse’, foi como, ‘Oh merda – eu sou uma vendida?'”

No final das contas, ela diz que se sente apreensiva ao lançar música com seu próprio nome: “De qualquer forma, parece que você não pode ganhar porque a posição que muitas mulheres são colocadas nesta indústria é que você não consegue convencer a todos que tipo de artista você é. Você só tem que sair e ser assim”.

E assim, ao invés de gravar um grande disco pop, ela voltou a ouvir os artistas que a fizeram se apaixonar pela música em primeiro lugar. Williams viveu no Mississippi até os 13 anos. Seus pais se divorciaram quando ela era jovem e mais tarde ela se mudou para o Tennessee após o colapso do segundo casamento de sua mãe. “Há uma parte da minha vida que muitas vezes esqueço, porque estava envolta em muitas coisas ruins”, diz ela. “Eu adorava ouvir R&B e Soul: Missy Elliott, Erykah Badu, TLC. Eu me inspirei neles apesar de saber que minha realidade era muito diferente”, diz ela.

“É interessante ter 31 anos e ter escrito todas essas músicas tiradas daquele poço”, observa ela. “Lembro-me de entrar na Good Vibrations, uma loja de discos no Mississippi, com o meu pai quando eu tinha uns oito anos. Ouvi [banda britânica de soul] Sade pela primeira vez e esse momento nunca me deixou. Os grooves de Sade são tão sexy, mas são duros: havia uma natureza feminina explícita para eles, mas havia garras, também”.

E por extensão, Williams também é “homenageada” quando artistas que não soam nada como o Paramore citam sua banda como uma influência. Em particular, o amor do rapper Lil Uzi Vert pelo grupo “significa muito para mim”, diz ela. “Sou inspirada por bandas e artistas que não soam nada como Paramore também, e isso vai para a sopa que faz de nós quem somos”.

Por toda sua ansiedade sobre o que as pessoas poderiam esperar dela, Hayley Williams ignorou suas preocupações iniciais sobre seu disco solo. Quando ela estava escrevendo ‘Petals For Armor’, ela sentiu que estava no banco do passageiro enquanto outra força tomava o volante; as músicas continuavam a aparecer por acidente. Instintivamente, ela sabia que estas não eram músicas do Paramore. Estava na hora de atacar sozinha.

Embora o álbum certamente cavar fundo, sua espada toca algumas verdades incômodas, o calor se infiltra em cada nota. A elegante e esparsa ‘Leave It Alone’ tem um ar melódico de Thom Yorke ou Warpaint, e confronta os lados mais desagradáveis do pesar. É uma das músicas mais sombrias que Williams já escreveu, e às vezes usa um estranho humor. “Ninguém me diga que Deus não tem senso de humor”, ela cita com as linhas de abertura, “Porque agora que eu quero viver, bem, todo mundo ao meu redor está morrendo”. Fala concisamente ao humor sombrio da forca, que só pode ser conhecido depois de ser espancada com pesar.

“O Paramore é minha banda favorita”.

Williams escreveu a canção depois que sua avó quase morreu após uma queda há alguns anos – ela sobreviveu ao acidente, mas ficou com um sério traumatismo craniano. “Eu não perdi minha avó fisicamente, mas mentalmente e cognitivamente, não é a mesma existência”, explica ela. Ao olhar a morte diretamente no rosto, uma visão sombria começou a se infiltrar. De que adianta amar alguém se você vai perdê-lo eventualmente?

“Essa é a maneira mais simples e concisa de resumir”, diz ela. “É um fato da vida, cara, e eu odeio isso. Eu ainda quero amar alguém e ainda quero ser amada; ainda quero experimentar alegria com as pessoas que amo”. ‘Leave it Alone’ é “combater esse pessimismo, essa visão fatalista”, explica ela. “Tenho que me lembrar que mesmo que as partes sombrias sejam tão longas” – ela lança os braços para fora, antes de fechar, “e a alegria é tão longa, faz tudo valer a pena”.

A bela, mas profundamente sincera ‘Dead Horse’, também não deixa nada a desejar, referindo-se ao caso que iniciou o relacionamento de quase uma década de Williams com Gilbert. “Eu tive o que mereci / fui a outra primeiro”, canta ela. Por um tempo, Williams hesitou em ser tão brutalmente honesta.

“Eu não queria escrever sobre meu passado dessa maneira”, admite ela, “eu realmente não queria. Eu nunca tive problemas em cantar sobre as coisas que me irritam. Eu fiz isso com Paramore durante toda a nossa carreira, mas aprendi a articulá-las de maneiras diferentes à medida que crescemos”.

Lançar-se em um território desconfortável, no entanto, levou a um avanço. “Minha angústia e raiva tem sido uma camada protetora para a tristeza e vergonha mais branda que eu sinto”, diz ela. “‘Dead Horse’ veio logo depois de arrancar o último band-aid. Foi sobre encontrar esta lava borbulhante debaixo de uma pedra. Era como desenterrar ossos. É como se meu eu de 21 anos tivesse escrito aquela música. Eu a silenciei por um longo tempo e a cobri de raiva. Eu precisava tirar um pouco daquela merda; uma lasca da vergonha precisava ser arrancada”.

Falando de canções escritas por uma jovem Hayley Williams: Paramore tem, nos últimos anos, reavaliado alguns de seus sucessos mais antigos. A cantora escreveu um de seus singles mais conhecidos, ‘Misery Business’, quando ainda estava no colegial. Uma letra em particular – “once a whore, you’re nothing more / I’m sorry: that’ll never change” – foi arrancada diretamente do seu diário. Durante anos, a banda ficou em conflito: enquanto era indiscutivelmente a maior música deles, eles se sentiam desconfortáveis em colocar outra mulher no chão. “Para nós era sempre um pouco como… ‘Hmm'”, diz Williams. “Isto não parece certo”.

E assim, no final da turnê ‘After Laughter’ de 2018, Paramore decidiu aposentar a canção por um tempo. No início deste ano, Williams rebateu a faixa ao se opor à sua inclusão na playlist ‘Women In Music’ do Spotify.

“Como mulher, eu senti que era importante assumir a responsabilidade e fazer uma afirmação ousada como essa”, diz ela. “Agora estou fazendo este projeto que está tão enraizado na minha descoberta da minha própria feminilidade. Sinto que dar às pessoas uma pausa para pensar no porquê de termos feito essa escolha foi o primeiro passo. Crescemos em uma cena tão divertida, mas acho que muitas das garotas não perceberam no que estávamos inundadas de dia para dia. Eu não odeio ninguém por isso – eu fiz parte disso. Eu só quero crescer através disso”.

“O que nossos corpos fazem é bárbaro; a feminilidade é perigosa”

Williams admite que não sentia muita afinidade com a cena emo à qual Paramore estava originalmente associado: “Posso dizer confortavelmente em retrospecto que acho que nunca sentimos como se nos encaixássemos. Nós realmente cedemos com ‘Riot!'”. O título daquele disco – que continha “Misery Business” – referia-se a uma efusão caótica de emoções, e atirou Paramore para o mainstream. Eles logo se associaram a bandas emo como My Chemical Romance, Fall Out Boy e Panic! At The Disco. Álbuns subsequentes fizeram com que o Paramore se afastasse de seu momento de descoberta, tornando-se mais pop – uma mudança deliberada.

“Quando vou ao Spotify do Paramore e olho para o ‘Os fãs também curtem’, eu realmente não me relaciono com nenhum dos artistas”, diz ela. “Não é falta de respeito. Muitas dessas pessoas eu conheço, e cresci com elas. É mais como, ‘Uau, nós não ouvimos nada que soe assim'”.

Ainda assim, ela reconhece que percebeu a influência que a chamada música emo estava tendo no mainstream quando Rihanna e Eminem lançaram seu single extremamente sombrio de 2010 ‘Love The Way You Lie’. “Eu pensei, ‘Uau – essas letras parecem letras que eu poderia ter escrito para o Paramore na época”, diz ela. “Rihanna gravou muitas músicas com uma letra pop profunda e distorcida. É fascinante. Eu me lembro quando nossa cena [alternativa] estava lançando histórias [similares], elas não eram realmente boas para o pop”.

E há ainda mais emoção no topo da agenda para Williams e para a banda. “Nós pensamos [no próximo álbum dos Paramore]”, ela explica. “Taylor mencionou coisas como: ‘Oh, Deus – eu sinto falta de guitarras’. Nós nos encontramos ouvindo muita música mais antiga da qual nós crescemos sendo inspirados. T e eu gostávamos de coisas que soavam um pouco mais ríspidas: The Rapture, Yeah Yeah Yeah Yeahs. Nós três adoramos ‘Songs For The Deaf’ do Queens Of The Stone Age”.

O som da guitarra será uma reviravolta do new-wave ‘After Laughter’. “É uma coisa de verão / inverno”, diz Williams. “Quando é inverno você mal pode esperar para estar suando muito, e no verão você está tipo, ‘Foda-se – Eu odeio isso!’. Depois de fazer ‘After Laughter’ é como, ‘Ok, nós experimentamos isso e realmente se encaixa e parece ótimo. Agora vamos ver o que mais podemos fazer para foder isso. Aquela empolgação e curiosidade que nos mantém uma banda. Nós não vamos deixar isso acontecer a menos que pensemos que é a coisa mais legal do mundo, quero dizer, Paramore é minha banda favorita. Como eu ouso arruinar isso?

Talvez, inevitavelmente, isto a leve a refletir sobre a dinâmica de mudança do Paramore ao longo dos anos: “Deus, envelhecer é uma coisa tão estranha. É muito bom poder crescer com esses caras. Fizemos a vida um do outro miserável por um tempo, mas nos tornamos pessoas melhores. Estou empolgada”.

“Paramore foi miserável por um tempo, mas nós nos tornamos pessoas melhores”

Normalmente, Hayley Williams estaria se preparando para sair em turnê agora. Ao invés disso, todas as datas ao vivo foram adiadas e o lançamento do ‘Petals For Armor’ tomou um caminho sinuoso. Adaptando-se à vida de isolamento, Williams vem lançando músicas individuais, pouco a pouco. No chalé, ela tem estado ocupada filmando um videoclipe de exercícios para o single ‘Over Yet’ (que ficou viral) e postando covers de músicas de artistas como Phoebe Bridgers (que aliás aparece no disco com as companheiras da banda boygenius Julien Baker e Lucy Dacus). Pela primeira vez, ironicamente, as mídias sociais a têm mantido sã.

Muito do que ‘Petals Por Armor’ transforma é particularmente valioso no momento. Abraçar a vulnerabilidade como uma fonte de força, celebrar a fragilidade, tratar a si mesmo e aos outros com bondade – estas são apenas algumas das linhas mestras que podem nos guiar através da escuridão. Ainda assim, como diz Williams: “Mal posso esperar para que todos nós possamos alcançar por uma mesa e dar um high-five ou algo do tipo”.

‘Petals For Armor’, de Hayley Williams, já está disponível.

Tradução por Rita Nogueira, equipe Paramore Brasil

Paramore Brasil | Informação em primeira mão
Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

One Reply to “NME: Um passeio pela casa e os sentimentos mais profundos de Hayley Williams”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *