A revista Vogue entrevistou Hayley Williams, que contou como foi o processo de criação do Petals for Armor, seu primeiro disco na carreira solo, e sobre como foi explorar a sua personalidade num álbum tão pessoal, mas que ao mesmo tempo soa tão distante dos seus projetos anteriores com o Paramore.

Leia também: #RecriandoPFA – Participe e concorra ao álbum ‘Petals For Armor’, estreia solo de Hayley Williams!

Após 15 minutos no Skype fazendo de tudo para fazer leitura labial e ajustar as configurações de áudio, Hayley Williams e eu podemos finalmente nos ver e nos ouvir. “Tive que fazer tantas lives no Instagram ultimamente, mas sou tão avó”, diz ela. “Sou a pior na internet. O que é estranho porque sinto que cresci literalmente no auge das redes sociais”.

Ao longo das últimas semanas, Williams foi forçada a se aperfeiçoar na mais recente tecnologia ao promover o Petals for Armor, seu álbum de estreia na carreira solo após mais de 15 anos como vocalista do Paramore.

O grupo, que ela fundou como uma adolescente turbulenta e punk com o baterista Zac Farro (juntando mais tarde o seu amigo e guitarrista Taylor York), teve um ano incrível em 2017. O quinto álbum do grupo pop-rock, After Laughter, foi lançado com sintetizadores e riffs de guitarra New Wave dos anos 80, marcando uma saída criativa e significativa tanto para a banda, quanto para Williams – cuja maior parte do público a conheceu como uma garota de cabelo flamejante gritando canções de títulos como “Misery Business” no final dos anos 2000.

Mas o risco artístico valeu a pena. Elogiado por fãs e críticos, a turnê do Paramore incluiu paradas esgotadas no Radio City Music Hall e no Auditório Ryman de Nashville, uma merecida rodada de vitória para um grupo que Williams brinca “quase se separou umas mil vezes”, mas que também teve o seu triunfo. Na filmagem do vídeo de “Rose-Colored Boy”, no início de 2018, York perguntou ao grupo o que achava de uma pausa depois de terminar a turnê no final daquele ano.

“Disse ao Taylor para me dizer sempre o que ele precisa para que o Paramore fosse saudável, porque já passamos por muita merda. Somos adultos e temos de nos concentrar nas nossas amizades”, diz Williams, acariciando o Alf. “Eu sabia que tinha de honrar que aquela era a hora que nós devíamos ser indivíduos e não encontrar a nossa identidade no Paramore por um momento”.

Ela já tinha feito alguns trabalhos solo – colaborou com B.O.B. no hit “Airplanes” de 2010 e com Zedd em “Stay the Night”, de 2012 – mas sempre como “Hayley Williams do Paramore”. Em Petals for Armor, ela é apenas Hayley Williams, e é o seu nome na página do Spotify e o seu rosto estampado através do iTunes. Pela primeira vez ela é Hayley Williams, a cantora-compositora, não a vocalista. É uma posição em que a jovem de 31 anos nunca pensou que se encontraria, apesar de originalmente ter entrado para a Atlantic Records como uma artista solo. A editora nunca a pressionou a fazer música fora do Paramore, e ela não quis, de qualquer forma. Como diz Williams: “Que garota de 15 anos de idade, num grupo de amigos, quer se ver longe desse grupo?”

O Petals começou a tomar forma em 2019, quando Williams levou sua avó para morar num centro de reabilitação de memória e se reconectou com Joey Howard, um amigo de longa data que estava de luto pela recente perda de um ente querido. Os dois se uniram por causa do seu luto, ouvindo “coisas frias” e brincando no estúdio até nascer “Leave It Alone”. No início, Williams não tinha a certeza do que fazer com a faixa, uma balada com declarações mal-humoradas como “Agora que finalmente quero viver, aqueles que eu amo estão morrendo.” Mas, encorajada pelos seus companheiros de banda a continuar, ela começou a conceitualizar um passeio solo que seria tanto um exercício terapêutico como um musical. Ela não estava interessada em fazer um grande lançamento, especialmente dadas as pressões que existem para que os vocalistas de bandas finalmente saiam em carreira solo. “Não consigo estar à altura das expectativas do que parece ser uma cantora de uma banda sair e fazer as suas próprias coisas, isso só me destruiria”, diz ela. “Eu só queria fazer algo que fosse meu”.

Petals for Armor é um álbum profundamente pessoal que complementa o trabalho de Williams com o Paramore, mas que também é inteiramente seu. Produzido por York, que co-escreveu um punhado das suas 15 faixas com Williams, Petals substitui o ressalto do After Laughter por um modelo sônico mais escuro inspirado no art-pop de Bjork e PJ Harvey. “Não planejei que o álbum tivesse um som diferente do Paramore”, diz Williams, “mas estou realmente contente por isso ter acontecido”.

Trabalhar com York fora de Paramore refrescou a relação criativa da dupla com o produtor a atirando em diferentes instrumentos e empurrando-a para o design de sons em momentos em que ela tipicamente dependia dos seus companheiros de banda. Os dois escreveram “Cinnamon”, uma ode à sua acolhedora casa em Nashville, em torno de uma batida que “se juntou por acidente”; enquanto “Simmer” veio de um exercício vocal em que Williams bateu num microfone “do tamanho de uma cabeça humana”. Ela não aqueceu a voz durante a gravação do álbum, uma técnica que ela é a primeira a desaconselhar, mas diz que se sentiu bem para este conjunto de canções. “Eu queria ouvir todas as fissuras e tudo o que normalmente faço em uma turnê para manter a minha resistência”, explica Williams. “Consigo ouvir momentos em que a minha voz fica realmente vulnerável e isso deixo tudo mais significativo para mim porque fazer este álbum foi uma experiência tão crua”.

Algumas partes do disco foram criadas devido a ruptura do seu casamento com o guitarrista do New Found Glory, Chad Gilbert – Williams pediu o divórcio na semana em que Paramore lançou o After Laughter. “Toda a minha vida se sentiu desenraizada e desarrumada”, diz ela sobre o período que também incluiu uma mudança estressante para sua casa atual e uma batalha intensificada com a depressão clínica. “Eu podia sentar aqui e falar com você sobre as merdas mais sombrias e depois dizer ‘Tudo bem, tudo bem, acabou?’ e terminar o meu dia”, diz Williams com uma risadinha. Ela falou sobre as suas lutas mentais numa carta aberta publicada em 2018, e desde então tem feito terapia. “Estou tentando ser menos sombria e idiota, mas acho que poder falar sobre isso tudo me ajudou muito”, diz ela. “E, graças a Deus, podemos colocar tudo nas músicas porque depois posso deixar tudo lá!”

As primeiras cinco canções do Petals foram lançadas como um EP em fevereiro, antes da pandemia alterarem o calendário cultural. De repente, artistas com projetos de grande visibilidade tiveram que encontrar novas estrategias: Dua Lipa antecipou o lançamento do seu disco em uma semana, enquanto Lady Gaga adiou o seu em um mês e Dixie Chicks cancelaram completamente do calendário o seu primeiro álbum em 14 anos.

“Com Paramore, nós nunca ligamos sobre como o álbum estava se saindo nos charts ou quais eram os números”, diz Williams. Ela discutiu opções alternativas com a Atlantic, antes de finalmente se ater a data original. “Há este belo nascimento depois de estar grávida do álbum por tanto tempo. Espero que as pessoas precisem de arte agora, e as experiências que eu tive e as histórias que estou contando possam encontrar as pessoas onde elas estão”. Ver essas pessoas pessoalmente, no entanto, terá de esperar um pouco: a primeira turnê solo de Williams, que iria começar em Seattle no final deste mês, foi adiada indefinidamente, com muitas autoridades dizendo que os shows ao vivo não voltarão a acontecer até 2021. Mesmo assim, Williams planeja ensaiar com sua banda completa “assim que pudermos”, ou no mínimo, arranjar uma maneira de trabalhar com Howard a uma distância segura.

Sem surpresas, ela também está pensando no que vem a seguir para o Paramore. “Não posso negar que na história há vocalistas femininas que começaram uma carreira solo e não voltaram, então é aí que tenho que confiar que a banda sabe que não estou à procura de algo mais lucrativo”, diz ela. “Eu vejo caras como Julian Casablancas e Thom Yorke lançarem vários discos e voltarem para suas bandas o tempo todo. Eles fazem os seus próprios trabalhos e ninguém pensa que isso põe um fim ao The Strokes ou Radiohead”.

Ela continua, “Só estou tentando pegar um pouco de experiência na minha arte e trazê-la de volta para o nosso lado”.

Paramore Brasil | Informação em primeira mão
Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *