A revista NME publicou uma nova entrevista com Josh Farro, ex guitarrista do Paramore, onde o músico abre o jogo sobre o seu relacionamento com os membros da banda, o processo de reconciliação e a saída do baixista Jeremy Davis! Confira:

Após a sua saída do Paramore, o que aconteceu em seguida?

Josh: Bem, eu não tinha certeza do que iria fazer. Precisava de um tempo livre de turnês. Eu acho que estava um pouco cansado. Isso não foi muito tempo depois de ter iniciado a compor com alguns amigos, que se uniram em uma banda [Novel American], onde Zac entrou logo depois.
O projeto não foi a lugar algum, então eu desisti. Enquanto isso, estive coescrevendo aqui em Nashville. Foi bom, mas sentia falta das performances.
Então eu comecei a compor sozinho e decidi seguir em carreira solo, porque é difícil de encontrar outros quatro caras que compartilham da mesma visão ou comprometimento.

O que inspirou seu álbum solo?

Josh: Eu ouço Coldplay frequentemente. É uma das minhas bandas favoritas e também voltei ao rock clássico, como Tom Petty e ELO, porque eu queria me reeducar, musicalmente falando.
Minhas letras são todas baseadas em experiências pessoais. Eu componho sobre as dificuldades da vida, a pura alegria de estar apaixonado, recomeços.
Eu estava muito hesitante em relação à carreira solo com o single “Cliffs”. Eu cresci tocando guitarra e todo mundo dizia que eu deveria cantar também, mas isso ainda era estranho pra mim. Essa música foi definitivamente sobre tomar essa decisão.

Sua declaração de saída soou como se o Paramore estivesse sempre em conflito. O que causou a saída?

Josh: Naquela época eu era extremamente jovem e ingênuo. Nós caímos na estrada quando eu tinha só 15 anos. Não me arrependo disso.
Foi uma explosão e eu acabei queimado. E, sim, havia um drama. Era como uma família. Como quando os seus irmãos e irmãs começam a te irritar muito… mas tenho certeza que os irritei muito também.
Chegou a um ponto em que eu estava cansado de todo esse drama, causado por cada um de nós.
Eu precisava de um tempo e o Paramore obviamente precisava continuar, o que foi ótimo para eles. Mas eu precisava parar, então decidi que seria melhor se eu saísse.

E como foi depois da saída?

Josh: Eu só voltei para casa. Naquela época eu já estava casado por quase um ano, então simplesmente tentei começar uma nova vida.
Isso foi assustador. Foi estranho ir de uma vida de ritmo rápido no Paramore, para um ponto praticamente morto.
Foi algo como “Ok, o que acontece agora?”. Admito que quando saí eu estava irritado, o que é da natureza humana.
Demorou um tempo para deixar passar e eu sinto como se estivesse em uma jornada de cura para toda essa situação.

Você considerou desistir da música?

Josh: Eu realmente considerei. Mas quanto mais eu pensava sobre isso, mais eu tinha certeza de que fui feito para compor e fazer música.
A indústria da música pode ser brutal, mas fui destinado a fazer isso.

O Paramore já tem seis ex-membros agora. Há um clube de sobreviventes?

Josh: (Risos) Não… sempre vejo nosso antigo guitarrista pela cidade. E nosso antigo baixista, John Hembree, me procurou após a minha saída da banda. Nós conversamos frequentemente. Mas não há um clube de sobreviventes do Paramore. Isso seria engraçado, não?

O baixista da formação original, Jeremy Davis, saiu da banda em Dezembro. Você sabia que isso estava para acontecer?

Josh: Eu sinceramente não sabia, Jeremy é um cara legal, mas Hayley e Taylor também são pessoas muito boas.
Isso definitivamente não era do meu conhecimento. Fiquei surpreso. É triste ter acabado assim, mas ele tem uma esposa e uma filha, então é compreensível.

Você tem contato com alguém da banda?

Josh: Sim. Nós não saímos juntos todos os dias, mas a gente se vê por aí e estamos bem.
Nos encontramos de surpresa e conversamos como velhos amigos. É bom saber que você está de bem com quem teve um final bastante ruim. Está tudo bem agora.
Talvez algum dia nós sejamos bons amigos de novo e poderemos sair juntos, mas a partir de agora estamos seguindo os próximos passos de “Okay, inicialmente foi difícil e ninguém queria falar com ninguém”, mas agora sinto como se pudéssemos nos sentir bem estando um na presença do outro.
Talvez o próximo passo seja sair juntos. Quem sabe? Talvez em um futuro próximo.

Hayley chamou a sua declaração de “o pior dia da minha vida”. Quem iniciou a reconciliação?

Josh: Pra ser sincero eu só os vi um dia e conversei rapidamente. Eu disse a eles que era esperado que eu me desculpasse por tudo, como qualquer ser humano decente faria por ter errado com alguém.
Eu não sabia como eles iriam entender isso, mas foram muito receptivos. Algo como “Ah, está tudo bem!”.
Foi estranho, mas libertador ao mesmo tempo. Daquele ponto em diante, tem sido ótimo.

Você se reuniria novamente ao Paramore – a porta está aberta?

Josh: Já pensei sobre isso antes, mas acho que não. Seria interessante ser convidado para retornar à banda, mas acho que isso nunca aconteceria e eu também não faria, pois estou tentando focar em minha carreira e eu realmente acredito na minha música.

Em turnê, você irá tocar as músicas do Paramore?

Josh: Provavelmente não. Nada contra essas músicas, mas o meu foco é tocar o meu trabalho, quero criar uma nova identidade como artista.
Eu acho que houve o tempo de tocar essas músicas e isso já passou.
Quero estabelecer uma fanbase que quer ouvir a minha música e deixar o Paramore fazer o que fazem de melhor. Deixem essas músicas para eles.

Assista ao clipe de Playing God, o último single da consagrada era Brand New Eyes!

Paramore Brasil – Informação em primeira mão!
Facebook | Instagram | Twitter | Tumblr | Youtube | Fórum

6 Replies to “Josh Farro abre o jogo sobre retorno ao Paramore e a saída de Jeremy Davis”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *