Em entrevista para a Native Magazine, Zac Farro fala sobre como encontrou a si mesmo na HalfNoise

Enquanto o Paramore seguia sem a presença dos irmãos Farro, após a saída dos membros em 2010, Zac Farro estava investindo em um novo projeto que passaríamos a conhecer como HalfNoise. A banda trouxe ao atual baterista do Paramore a vontade de seguir em frente.

Em entrevista feita pouco antes do músico partir para o PARAHOY!, Zac Farro contou para a revista Native Nashville como encontrou a si mesmo e a um novo som com sua banda, a HalfNoise.

Confira abaixo a tradução da matéria publicada pela Native, com photoshoot feito pelo fotógrafo Phoenix Johnson.

Zac Farro considera por um momento o que teria acontecido se ele não tivesse crescido em Nashville. “Eu amo minha família em Nova Jersey, mas o que eu faço é porque eu sou daqui”, ele diz. “Não que eu não estaria apaixonado por outro caminho da vida ou ocupação, mas eu não consigo imaginar uma vida sem música, cara.”

Ele não é nativo de Nashville, mas Farro e a cidade da música têm uma longa história. Ele se mudou de Garden State para Tennessee quando criança, e começou a tocar bateria quando tinha 9 anos, depois de sua mãe lhe mandar para um acampamento de música chamado Bach to Rock. Farro se encontrou surpreendentemente ansioso quando o instrutor trouxe um kit de bateria.

“Na escola, quando você tinha que fazer uma apresentação ou algo assim, esse era o meu pior pesadelo,” diz ele. “Então eu nunca me voluntariava pra ir, e o cara ficava tipo, ‘Ei, alguém gostaria de tocar bateria?’. Um dia, eu simplesmente olhei e ergui minha mão… foi tipo um estranho momento era-pra-ser, porque eu nunca tinha tocado antes.”

Farro não levou a bateria a sério até dois anos depois. Logo em seguida, ele e seu irmão, Josh, se tornaram membros fundadores da banda pop-punk Paramore. Eles entraram em tour, e a banda formada em Franklin se tornou uma sensação internacional. Os irmãos Farro deixaram o grupo em 2010, mas Zac retornou em 2016. E ele tem apenas 27 anos.

Depois que ele e seu irmão deixaram a banda, Farro se sentiu criativamente curioso. Ele começou a mexer no Logic Pro e no GarageBand, desenhando ideias e encontrando sons de que gostasse. Na mesma época, seu amigo Daniel James estava entrando em produção e convidou Farro para trabalhar com ele em algumas de suas faixas. Ele até acompanhou Farro quando ele se mudou para a Nova Zelândia por alguns meses. Enquanto estavam lá, gravaram o primeiro LP da HalfNoise, Volcano Crowe.

“Parece meio chato, mas eu realmente me encontrei lá”, diz Farro do outro lado de uma mesa no pátio do Vui’s Kitchen, em Germantown. “Eu meio que cresci na estrada desde que eu tinha 13 anos, e isso pode te estragar muito. Não que eu era um garoto bagunçado, mas eu perdia muita vida. E (James) me conheceu lá e nós fizemos algumas músicas e tivemos algumas loucas experiências de vida e aí eu vim pra casa e eu estava tipo, ‘Maneiro, eu quero fazer isso.’”

Farro voltou à Nashville e continuou gravando e lançando música – todas as quais James co-produziu – , com exceção do álbum de 2016, Sudden Feeling, que foi gravado em Los Angeles com Phil Danyew e Scott Cleary. Desde então, HalfNoise teve mudanças na formação – Farro ainda é o único membro permanente, mas ele considera as sessões da HalfNoise mais como um musical colaborativo e convida seus amigos para trazerem algo para a mesa.

“Começou como um projeto de quarto e agora todos os nossos amigos sabem, ‘Oh, HalfNoise está gravando? Aí sim, eu vou aparecer e tocar alguma coisa,’” Diz ele. “É uma coisa agora.” Em alguns casos, essas contribuições dos amigos significam que eles co-escrevem músicas inteiras com Farro, e em outras eles simplesmente estabelecem uma ou duas partes de guitarra.

Não é surpresa que Farro junta as pessoas dessa forma. Vestido em um gorro rosa e uma jaqueta bomber azul com a logo que diz “Patrulha de Segurança de Ursos”, ele fala com serenidade sobre seu trabalho, de uma maneira que desmente seus muitos anos em uma indústria conhecida por cultivar o cinismo. Ele menciona seus amigos constantemente, desde um amigo com quem ele está produzindo em Los Angeles, até um casal sueco com quem ele está colaborando. Farro e seu colega de quarto também começaram a compor músicas pela manhã durante o café. Parece que amizade e colaboração criativa são a mesma coisa pra ele.

Mas os amigos de Farro não são a única coisa que têm influenciado a HalfNoise ultimamente. Para seu último lançamento, Flowerss, a banda se inspirou nos gostos de The Kinks e T. Rex. Eles também incorporaram mais instrumentais orgânicos nos sons de Farro.

“Eu cheguei a este lugar em que eu não podia tocar a música que eu tinha escrito no computador apenas no piano ou guitarra e traduzir, sabe?”, Diz ele. “Seria apenas uma coisa completamente diferente, e acho que é legal, mas eu queria me esticar e escrever músicas que você poderia cantar em volta da fogueira com os amigos.” Na verdade, ele fez exatamente isso na noite anterior, tocando sua música “Scooby’s in the Back” com um grupo de amigos.

O EP Velvet Face, do ano passado, evocou a década de 1960 com um som psicodélico que se afastou do ambiente indie rock e do electro-pop de seus antecessores. Flowerss leva esse som ainda mais longe e é o HalfNoise no seu espírito mais aventureiro. Farro estava ouvindo de tudo, desde o pioneiro da Afrobeat na Nigéria, Fela Kuti, até o roqueiro indie francês François Virot.

“All That Love Is” é uma meditação melancólica sobre sentir-se apaixonado, em contraste com uma linha de baixo que desafia você a não dançar. “E muito disso vem do fato de que eu mesmo me decepciono e acabo me apaixonando muito fácil e assim me machuco”, diz Farro. “Então é essa necessidade de me expressar para conseguir seguir em frente.” Ele gosta da tensão criada pelo contraste entre as letras tristes e o som feliz. “Há também algo encorajador sobre ser honesto, sabe?”

Um de seus amigos começa a música falando em francês, contando a história de um casal passando uma noite romântica juntos. É uma homenagem ao compositor camaronês Francis Bebey, que colocava guitarras e instrumentos tradicionais africanos com baterias eletrônicas e sintetizadores. Em “She Said”, Farro canta, “Ela disse: ‘não se preocupe com nada’ / Mas então eu apenas me preocupo, não sei por que não posso tentar”, contando com guitarras barulhentas e tambores batendo, a última música que ele gravou em seu estúdio em casa quando acordou uma manhã. Farro e James tentaram recriar a energia da música original quando estavam gravando as músicas em estúdio, mas decidiram manter o original, mesmo com falhas e tudo mais. Farro tentou levar essa mesma abordagem ao processo de gravação como um todo.

“Há momentos em que dois amigos estão tocando as partes da guitarra durante todo o tempo e se divergindo e meio que improvisando. Nós deixamos porque, quando eles fizeram isso de novo, eles fizeram ainda melhor, mas uma certa característica não estava lá”, ele diz. “Há algo tão digerível sobre uma imperfeição humana, sabe?”

Trabalhar em seu próprio projeto tem sido uma experiência de aprendizado para Farro, desde a gravação, até as performances, até as vendas. No Paramore, ele estava acostumado a sentar atrás do kit de bateria, mas em HalfNoise ele é o vocalista, uma transição que Farro diz que tem sido estranha às vezes, mas que se mostrou gratificante. Ele também credita seu novo papel em seu antigo grupo, reforçando sua confiança, como ele cresceu de um garoto que temia falar na frente de sua classe em um adulto cantando na frente de multidões.

“Honestamente, participar dessa banda de novo tem me dado a coragem para ser ainda mais eu mesmo e ser ainda mais carismático, pois há menos pressão para fazer isso do que como seria em uma banda grande,” ele diz. “Não que eu algum dia quis isso de qualquer forma, mas isso deixa ser ainda mais orgânico e natural e apenas mais minha personalidade.”

As duas bandas se complementam. Seus grupos trabalham juntos, e o mais recente álbum do Paramore, After Laughter, com seu som descolado e pesado estava bem alinhado com as sensibilidades musicais de Farro. Ele até co-escreveu algumas músicas.

Com a HalfNoise, Farro tem focado mais em fazer música do que sair em tour extensivamente, mas eles pegaram a estrada para uma série de datas de destaque no início deste mês, culminando em um show na cidade natal, no Exit / In, apresentando alguns amigos – o trio de rock Ornament e a cantora e compositora Becca Mancari. O Paramore também inclui regularmente material da HalfNoise em seus sets de turnê, dando a Farro a chance de sair de trás da bateria e esticar os músculos.

Sendo criado aqui, Farro assistiu Nashville crescer e mudar, mas ele ainda acha a cidade criativamente estimulante, especialmente agora. Ele começou a ler Meet Me in the Bathroom, de Lizzy Goodman, um livro que detalha suas experiências na cena rock de Nova York no início dos anos 2000, quando bandas como a LCD Soundsystem e The Strokes estavam se estabelecendo.

“Quando eu leio, é como, ‘ é isso o que está acontecendo em Nashville agora'”, diz ele. “Ainda é um pouco como o Velho Oeste… Eu estive aqui a minha vida toda e talvez seja a época em que estou, mas parece ser o momento mais fascinante para estar aqui. Mesmo que muitas pessoas se queixem de que isso mude muito – e às vezes eu também. Reclamar nunca me fez bem algum. Então estou tentando parar de fazer isso também e só ver o lado positivo disso. ”

Farro também está fazendo sua parte para retribuir à sua cidade natal. Ele fundou sua própria gravadora, a Congrats Records, com dois amigos em 2016. No começo, o Congrats era um meio de lançar sua própria música, mas agora Farro está voltando sua atenção para outros artistas. Como HalfNoise, ele vê o rótulo como algo fluido, um canal para mais do que apenas música. Ele ama fotografia e pode querer lançar um livro de fotos através da Congrats um dia. “É como uma casa de arte”, diz ele. “Não é apenas uma gravadora que diz ‘só assinamos música’. É como ‘vamos fazer o que quisermos’. Não há regras para isso. Isso é tão legal.”

Nós encerramos nossa refeição, e Farro está prestes a ir para o ensaio do PARAHOY!, uma viagem de quatro dias pelo Caribe – encabeçada pelo Paramore – , que parte na semana seguinte e apresenta uma ampla gama de artistas e grupos. Farro vai tocar com as duas bandas.

Embora haja alguma sobreposição entre os dois, seja qual for o projeto em que ele esteja trabalhando, ele está envolvido. “Então, quando estou no mundo HalfNoise, estou todo lá. Quando estou no mundo do Paramore, estou todo lá, então fico tipo, “Ah, sim, eu tenho essa outra banda”, uma vez que voltamos de uma turnê muito longa,” ele diz. “O tempo é um desafio, mas eu não acho que quero a vida sem um desafio.”

O mais recente EP do HalfNoise, Flowerss, já está disponível.

Confira as fotos tiradas para a matéria:

Paramore Brasil | Informação em primeira mão

Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

Nicole Friedrich Gonçalves

Ainda em busca do que eu quero, começando por realizar meus maiores sonhos. Always a daydreamer! @nicolefg