Nossa vocalista preferida, Hayley Williams, não parece muito disposta a descansar (quem aí pegou a referência?) nesses tempos de lançamento, pois suas movimentações à cerca do novo álbum envolvem desde bater na porta de um fã para entregar-lhe uma cópia do disco até estampar a capa de uma revista.

Seguindo a tendência da era Petals for Armor, agora, com seu novo disco Flowers for Vases / descansos, Hayley usa das entrevistas para entrar mais a fundo em sua vida pessoal e as motivações que resultaram na nova obra.

Estampando a capa da edição de fevereiro da revista American Songwritter, Hayley Williams nos presenteia com uma conversa franca com Jason Scott, mostrando-se muito vulnerável e aberta a compartilhar seus sentimentos com o público. Uma ótima oportunidade de conhecer a pessoa por trás da poderosa vocalista de uma banda mundialmente famosa.

Leia a seguir a reportagem completa traduzida:

“Hayley Williams olhou ao redor de sua casa em Nashville e percebeu que não seria saudável manter tantas coisas mortas. Coisas mortas como caules de flores secas e ocas e pétalas esqueléticas decoravam seus corredores e estantes de livros, necessários para confrontar sua dor e se livrar dela, como evidenciado em Petals for Armor, no verão passado. Mas à medida que a pandemia se prolongou por mais uma estação, e agora entra em seu segundo ano, ficou claro que Williams tinha um pouco mais de reparos a fazer.

“Eu ainda tenho que entender que você simplesmente não escreve uma música e então desencana”, ela disse ao American Songwriter por telefone no mês passado. Escrever músicas como terapia não é um caminho para um fim; é uma expedição interminável e de longa duração para eliminar raízes azedas e ervas daninhas emaranhadas que remontam a décadas, muitas vezes surgindo agora como ambrósia fedorenta e deixando traços fracos ao longo da vida e dos relacionamentos. “Isso continua acontecendo com você e para você, em alguns casos”, ela reflete. Williams vai colocar tal trabalho mental, e provavelmente musical, para o resto de sua vida. E então ela simplesmente puxa uma cadeira e fica “aconchegante ─ é a vida”.

Depois que ela descartou todas aquelas flores mortas, deixando vasos grandes e vazios espalhados por sua casa, teve uma epifania: era hora de por a vitalidade de volta em sua vida. Precisava fazer compras de qualquer maneira, então rabiscou as palavras “flores para vasos” [flowers for vases] no final de sua lista, abaixo de itens como leite de aveia e granola. Não pensou muito sobre isso na época e rapidamente foi para o Trader Joe’s. Mais tarde, quando ela folheou uma pilha de papéis e notas embaralhadas, seus olhos caíram sobre a lista de compras há muito esquecida.

Flowers for vases

“Tinha esse peso”, diz ela. “Era hora de colocar uma nova vida nesses vasos e levá-la adiante, ao invés de carregar esses pequenos esqueletos de flores mortas”.

No seu segundo trabalho solo de Williams, FLOWERS for VASES / descansos — com dois nomes, o segundo uma referência a memoriais de beira da estrada e cruzes bordadas que marcam tragédias pessoais — a encontramos fortalecendo seus minúsculos músculos ao redor do coração. Ela mantém firmemente seu núcleo latejante suave, um convite bem-vindo à toda a amplitude da emoção humana, nascida de simplesmente viver. Ela colheu um conceito tão simples, mas totalmente brilhante, de ninguém menos que Dolly Parton, que apareceu no podcast “Unlocking Us” de Brene Brown no último novembro. Na conversa de 45 minutos, a icônica cantora, compositora e empreendedora discutiu sobre “como ela equilibra todos os seus sentimentos”, tanto em sua vida profissional quanto pessoal, e essas palavras acenderam uma chama em Williams.

“Ainda estou aprendendo como fortalecer os músculos ao redor do meu coração, o que me dá limites e os meios para discernir certas situações”, acrescenta Williams.

Essa clareza transborda profusamente em seu novo disco. As quatorze canções, as quais Williams toca todos os instrumentos, pulsam com certos traços do Petals for Armor, mas muito longe de tudo que ela já fez musicalmente até agora. O livro “Mulheres que Correm com os Lobos: Mitos e Histórias do Arquétipo da Mulher Selvagem”, da autora Clarissa Pinkola Estes, alimentou não apenas a revolução pessoal de Williams, mas também a tensa e provocativa linha de pensamento do álbum.

“A autora fala sobre como fazemos nossos próprios descansos quando temos pequenas mortes ao longo da nossa vida”, ela pondera, “[e como quando] temos que deixar algo para trás, mas continuamos vivendo. Honramos onde estávamos, e então seguimos em frente. ”

Williams coleta e conecta “todas as ilusões de amor”, conforme ela estabelece com First Thing to Go, por meio de arranjos rudimentares, dando a sua voz ainda mais destaque. O disco se abre com uma revelação tão solene e convoca o ouvinte a acompanhá-la em um caminho de autopreservação. Ela se arrasta “por momentos e caminhos dolorosos os quais eu mesma posso ter falhado” para memorizá-los e assim poder “continuar a crescer, viver melhor e amar melhor as pessoas e a mim mesma”.

Ela então põe fogo em suas memórias, permitindo que lâminas e camadas de tinta polidas se desintegrem, revelando a verdade que ela havia enterrado sob sua personalidade “nostálgica, idiota e sentimental”. “Eu tenho tendência à pintar minhas memórias, mesmo as ruins, em tom de rosa, onde tudo era tão romântico”, diz ela. “Eu tenho que me lembrar que as coisas estão no passado por uma razão, ou também que, sim, algo pode ter sido muito bom, mas ‘olhe onde você está hoje’. Crio cenários mais bonito para alguns dos momentos mais difíceis da minha vida. Isso pode ficar um pouco enrijecido”.

My Limb, por exemplo, surge como o ato de contrição mais brutalmente visceral de Williams, um encantamento com arsênico, o qual retoma a um versículo bíblico em um ritual distorcido de sustentação da vida. “E se a tua mão direita te ofender, corta-a e lança-a de ti; pois é proveitoso para ti que um de teus membros pereça e não que todo o teu corpo seja lançado no inferno”, Mateus 5: 30.

Ela lida com sua mensagem principal como um gotejamento de ácido. “Acho que fomos danos colaterais, nos beijando no fogo cruzado”, ela sibila. Dentro de uma estrutura musical assustadora, em uma de suas composições mais marcantes, ela usa um provérbio para a sua tendência de “ser uma daquelas pessoas que corta meu nariz para ofender meu rosto ou simplesmente jogo o rosto inteiro fora”, diz ela com uma risada. “Eu gostaria de poder escrever de coração leve. Isso é o que é tão bom sobre o Paramore. A música tende a ser unilateral e minhas letras são tão obscuras quanto deveriam ser. ”

My limb, my limb, my limb, my limb, ela canta com o seu coro de bruxa, o qual ela completamente “suga todo o veneno” de seu corpo e “o tranca em uma horcrux, que é uma canção”. O amor próprio precisa ser implacável às vezes para cortar “membros” (ou seja: comportamentos) mortos e inúteis para a saúde e o bem-estar de todos. “Me entreguei, e meus amigos me deram um amor ainda mais forte desde o início”, ela diz.

Com Trigger, Williams então postula que talvez toda a dor tenha um propósito e canta através de camadas folclóricas cintilantes. Quando a “novidade de estar em casa passou” no ano passado, um pensamento explodiu em sua mente: “merda, aí vem o sossego”. O silêncio pode certamente ser ensurdecedor, sufocante até, como fogos de artifício explodindo em borrifos de cor no dia 4 de julho. Emparelhado com quarentena, isolamento e solidão quase impenetráveis, ela ficou cada vez mais “com medo do que poderia encontrar” por meio de uma tal auto-reflexão inevitável. Mas sua composição logo provou que tudo ficaria bem. “Ainda estou aqui. O sol está brilhando. Posso sair e colocar os pés no chão”, ela oferece.

Por toda a beleza que ela descobriu, Williams se responsabiliza, especialmente em seus momentos mais sombrios e angustiantes, emocional e fisicamente. Good Grief brinca com muito mais do que seu estado psicológico, cavando efeitos fisiológicos muito reais e  muitas vezes assustadores que acabamos ignoramos. “Não há nada como um bom luto / Não como há três semanas”, ela canta. “Pele e ossos quando você não está aqui / Sou toda esqueleto e melodia”.

Em suas incontáveis ​​formas, a dor pode causar estragos no corpo, desde a incapacidade de sair da cama até esquecer de comer e a consciência de Williams sobre seus próprios ciclos tem sido esclarecedora. “É difícil para mim ter uma perspectiva sobre minha própria dor quando estou passando por isso. Estou muito grata por estar em casa e por ter uma família honesta ”, diz ela. “Minha mãe me questiona sobre as coisas com amor. É o mesmo com meu pequeno círculo de amigos. Somos honestos um com o outro. Dizemos um ao outro quando percebemos que alguém está escorregando”.

“Não iria tão longe para dizer que tenho um transtorno alimentar. Quando estou muito triste, não estou com fome. É incrível o que a depressão ou as várias formas de luto podem fazer a uma pessoa. Esquece-se de como isso é físico. Quando fala-se sobre bem-estar mental, deve-se procurar sinais físicos também ”, ela continua. “Seu corpo é geralmente um instrumento muito sábio. É tão técnico e pode dizer e revelar coisas para você. Quando estou desconectada do meu corpo físico, é quando também não estou conectada mentalmente”.

A ousadia emocional de Williams sempre foi a espinha dorsal de suas composições, mas FLOWERS for VASES / descansos parece especial de uma forma alarmante. “A vida começou na sétima série / Quando eu e minha mãe fugimos”, ela canta mais tarde em Inordinary, refletindo sobre um dos momentos mais monumentais de sua vida. Quando ela tinha apenas 13 anos, sua mãe arrumou o carro e partiu para o Tennessee, libertando as duas de uma casa “tumultuada” e “insegura”, longe de seu segundo marido. “Vê-la se defender foi um despertar para mim. Eu continuo guardando comigo”, reflete Williams, agora com 32 anos.

Ao longo de três décadas, ela testemunhou a devastação do divórcio de perspectivas drasticamente diferentes: ambos os pais se divorciaram duas vezes (mas agora estão em casamentos felizes e saudáveis) e Williams ainda está se recuperando e se recuperando do seu. “Parecia que era uma doença que permeia minha família, como uma doença genética”, diz ela. “Surpreende-me o quanto sinto que minha vida realmente começou quando cheguei a Nashville”.

A vida nunca é como você espera que seja. É muito mais. Ao longo de FLOWERS for VASES / descansos, na preparação para Descansos, Williams coloca sua dor de lado e redescobre o que significa prosperar no mundo. Na faixa título, chegando como um momento de calma envolvente, ela finalmente exala – e parece apropriado que não haja palavras. Originalmente escrita com uma letra que não parecia mais fazer sentido, ela a descartou para abrir caminho para a música subir e não “desaparecer no éter”.

Williams também não está mais desaparecendo. Em vez disso, ela encara seu trauma e mostra-se por si mesma. FLOWERS for VASES / descansos, também relembrando “memórias e doces momentos” de sua vida por meio de amostras de fita VHS de um Halloween de muitas luas atrás, aparece como um espectro na noite. É uma manifestação emocional de todo o trabalho que ela fez, parecendo às vezes bastante desgastante — mas sempre necessário.

“Eu vivi esses sentimentos. Não sei se preciso me afligir com eles várias e várias vezes”, diz ela, confessando que só ouviu o disco uma vez. “E está tudo bem. O que está feito, está feito, e tudo o que se pode fazer agora é forjar um futuro mais brilhante, mais saudável e seguro”.

Leia também: A repercussão de ‘Flowers For Vases / Descansos’ nos principais veículos de comunicação do mundo

Ouça o novo álbum Flowers for Vases / descansos:

Paramore Brasil | Informação em primeira mão
Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | Fórum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *