A vocalista do Paramore, Hayley Williams, cedeu uma entrevista à revista Rolling Stone, publicada na terça-feira (08) no portal de notícias da mesma. Hayley conta detalhes sobre o a composição de novas músicas, entre outros assuntos relacionados ao futuro da banda. Confira a tradução da matéria elaborada por James Montgomery:

Faz mais de um ano desde que o Paramore lançou seu quarto álbum auto-intitulado, um long-play, um esforço sonoramente ambicioso que era tanto um recomeço (seu primeiro LP como um trio), quanto um risco: Não houveram muitas grandes gravadoras de bandas de rock que lançaram um álbum com 17 faixas, com mais de uma hora de duração (com “interlúdios”, orquestras e corais) no ano de 2013.

No entanto, Paramore se tornou um sucesso, o primeiro álbum da banda a produzir dois singles de platina, “Still Into You” e “Ain’t It Fun”, o último alcançou um sucesso esmagador, fixando-se na parada Rock da Billboard, o Adult Top 40 e a abrangente Hot 100. Seis meses depois de ter sido lançada como single, “Fun” não é só a última música da setlist do Paramore, ela pode muito bem ser a música do verão. E seu sucesso revigorou uma banda que, há menos de quatro anos atrás, estava à beira de um colapso.

Na verdade, depois de uma década de carreira, o Paramore parece estar trabalhando no seu lado comercial e crítico. Entre as datas de sua turnê com o Fall Out Boy (apropriadamente nomeada de “Monumentour”) Hayley Williams falou com a Rolling Stone sobre desafios, lançar o maior single da banda e o motivo pelo qual ela odeia perguntas sobre seu cabelo.

Ao longo da última década, esta banda tem tido sucesso, mas nada se compara com o que aconteceu este ano. Este é o melhor momento para estar no Paramore?

Com certeza. Em todos os níveis. Continuamos aprendendo o que significa ser uma banda, tanto profissionalmente quanto como amigos. É um processo de aprendizagem constante. Fizemos um álbum que nos orgulhamos muito, e seu sucesso é muito além de qualquer coisa que esperávamos quando estávamos escrevendo. Então, isso é incrivelmente satisfatório, obviamente, mas em um nível pessoal, eu sinto que nossa amizade é apenas um constante aprofundamento, que está se tornando realmente importante e vital.

“Ain’t It Fun” tornou-se um hino. Quando vocês a escreveram, tinham alguma ideia do sucesso enorme que ela se tornaria?

Levamos tanto tempo fazendo este álbum que não podíamos nos desconectar com o que estava acontecendo com a música na época. Era sobre como estávamos nos sentindo no momento, o que estava inspirando-nos e o que nos motivou a estar em uma banda de novo, e é tão estranho que essas mesmas canções são as que nos deram o maior sucesso. Algumas delas são as coisas mais pop que já escrevemos… “Ain’t It Fun” foi como “palavras vomitadas”; ela acabou de sair, e agora todo mundo está cantando, está tocando no rádio, é muito legal. Eu não sei se você conseguiu isso duas vezes em sua carreira. Esta é a primeira vez que experimentei, e eu sou muito agradecida.

Então você já teve a chance de realmente desfrutar de tudo isso?

Todos nós temos. Este ano tem sido surpreendentemente calmo, especialmente considerando que a música tem sido selvagem. Fizemos uma turnê no início do ano, fizemos um cruzeiro e agora estamos na Monumentour. Isso foi tudo o que fizemos. Passamos muito tempo em casa, e foi muito bom; a vida real é tão diferente da vida que você passa dentro de um ônibus. Agora eu prefiro muito mais sentar na varanda e estar com a família. Eu posso dizer agora, mais do que nunca, o quanto eu envelheci desde que começamos.

Paramore nunca foi maior, no entanto, em uma série de maneiras, todo o sucesso parece muito orgânico. Tem sido uma luta para fazer as coisas do seu jeito?

Sabemos quando as coisas não estão indo bem. Estamos todos muito unidos na estrada, e nós somos capazes de ser honestos uns com os outros quando algo não parece certo. Fazer coisas como o vídeo de moda que teve a participação dos membros da nossa equipe, é o que nos mantém aproveitando cada pequeno momento, de modo que não se torne algo fabricado. Esse é o que importa. Assim como em 2005, quando estávamos respondendo aos fãs no MySpace, o que era real para nós, então é assim que medimos cada passo dado.

Você, pessoalmente, recusou propostas?

No início, eu recusei toneladas de propostas; assim que fiz 18 anos, a revista FHM veio até mim. Houve inúmeras coisas ridículas, desde então, e provavelmente algumas oportunidades interessantes que nós simplesmente não aceitamos na época. Nós meio que nos deixamos florescer como pessoas, ao mesmo tempo que deixamos nossa banda expandir seu território. Isso de saber o que é certo acho que está dentro de nós, o que o Paramore é em sua essência, mas um pouco disso, você aprende sozinho. Eu não sou tão sensível sobre sair e fazer certas coisas nos dias de hoje, e os caras não são tão sensíveis quanto a isso. E não há algo como o Teen Choice Awards, onde teria sido como, “Oh, nós não queremos fazer um show adolescente” quando éramos adolescentes reais isso provavelmente teria feito mais sentido. [Risos]

No passado, você foi considerada o ponto focal da banda. Isso ainda é um problema?

Você sabe, isso depende. Às vezes fazemos spots de TV, entrevistas e gastamos toneladas de tempo falando, você acha as perguntas agradáveis, e depois tudo é editado, no final é só você respondendo perguntas sobre o seu cabelo. Esse tipo de coisa me deixa desconfortável.

Houve uma recente entrevista da Nightline que, mencionou o seu cabelo …

Oh, bem, esse é o tipo de entrevista que eu estou me referindo.

Ao mesmo tempo, você gravou “Stay the Night”, com Zedd, e ganhou disco de platina. Então, o que vem a seguir, um outro álbum do Paramore, ou mais material solo seu?

Nós queremos fazer outro álbum. Taylor está escrevendo o tempo todo, e Jeremy escreve bastante, também. Estou naquela fase onde eu passo muito tempo escrevendo, e geralmente um mês depois ou dois , que eu começo a gostar do que estou escrevendo. Isso acontece com todos os álbuns. Então eu acho que o álbum vai acontecer assim que começarmos a escrever em conjunto e pensar, “Sim, isso parece incrível”. Nós nunca terminamos uma música que não gostamos, temos algumas pela metade que pensamos “Quer saber? Melhor não”. Estamos esperando aquele “click” e então a gente começa. Mas o processo já está se iniciando.

Em relação a carreira solo, eu sempre vou julgar com base em como eu me sinto sobre algo. Se uma canção como “Stay the Night” vem para mim, é inegável, mas tem que ser apropriado.

Você na liderança da banda por uma década. Será que o trabalho ficou mais fácil ou mais difícil?

Eu ainda fico surpresa quando me sinto desconfortável com isso depois de 10 anos. É engraçado quando me sinto deixada de fora, ou no frio, e todo mundo está se concentrando em mim. No palco, é muito mais sobre a música que me sinto confortável. Mas sendo a vocalista não é uma tarefa fácil, é algo que eu estou realmente orgulhosa de ser cada vez melhor, cantando muito bem e falando para a multidão – que é a parte que eu me sinto mais nervosa, como “O que eu digo que me faz parecer tão legal?” -, Mas também tentar manter da mesma forma que me sentia quando tocávamos em clubes. Eu quero me conectar, tal como Taylor e Jeremy. Essa é a nossa missão, todas as noites.

Facebook | Instagram | Twitter | Tumblr | Youtube

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.