No Friend

These old letters from years ago
I felt it was leading to a
[…]
When I wrote this […] I may have been finally able to address how it feels

Another brick-red room,
Another black-top town,
Another misspelled band burning their own houses down,
Another pine-box tune to fill the cemetery day
Another star, a touch of orange over purgatory gray,

Another thorny field to scatter fruitless seed,
Another song that runs too long god knows no one needs
More misguided ghosts, more transparent hands
To drop a nickel in our basket and we’ll do our riot!

Dance beneath another burning sky,
Behind our painted lips
In scores of catatonic smile-covered ankle-bitten ships
So throw your pedestal of stone in the forgetful sea
As protection from the paper-thin perfection
You project on me

When this repetition ends behind the window shades,
A semi-conscious sorrow sleeping in the bed I’ve made,
That most unrestful bed, that most original of sins
And you’ll say that’s what I get when I let ambition win again

I’d hate to let you down
So I’ll let the waters rise
And drown my dull reflection
In the naïve expectation in your eyes
Back in a cast bit-part,
Back when I felt most free,
I had a butcher’s heart and no one thought they knew me

So before the regiment resumes,
Before the dreaded sun appears,
My driver’s waiting
So let’s make one point crystal clear:

You see a flood-lit form,
I see a shirt design,
I’m no savior of yours
And you’re no friend of mine.

You’re no friend of mine
You’re no friend of mine
I’m no savior of yours and you’re no friend of mine

You see a flood-lit form
I see a shirt design
I’m no savior of yours
And you’re no friend of mine

I see myself in the reflection of people’s eyes
Realising what they see may not be even close to the image I see in myself
And I hate I might actually be more afraid
[…] I feel like they know the story
I saw a bear floating in the river and thought it was a fur coat
Twelve years ago I stood on the shore
Jumped in and grabbed the coat
And the river is rushing toward a waterfall
And my friend stood at the shore and shouted to let go of the coat and swim back to land
I let go of the coat but the coat won’t let go of me
In any case please let me know if there’s more I can give you
If nothing comes of it, then just know we are grateful

Tradução

Essas cartas antigas de anos atrás
Eu senti que estava levando a um […]
[…]
Quando eu escrevi isso […]
Posso ter finalmente sido capaz de abordar como se sente

Outra sala de tijolo vermelho
Mais uma cidade negra
Outra banda de nome errado queimando suas próprias casas
Outra música de caixão pra preencher o dia no cemitério
Outra estrela, um toque de laranja sobre o purgatório cinza
Outro campo espinhoso para espalhar sementes infrutíferas
Outra música que dura tempo demais
Deus sabe que ninguém precisa
De mais fantasmas equivocados, mais mãos transparentes
Para soltar um níquel em nossa cesta e faremos nossa dança tumultuosa
Sob outro céu ardente
Atrás de nossos lábios pintados […]
[…]
Então jogue seu pedestal de pedra no mar esquecido
Como proteção contra a perfeição fina como papel que você projeta em mim
Quando esta repetição termina, atrás das cortinas de janela
Uma dor semi-consciente dorme na cama que eu arrumei
A cama mais inquieta
O mais original dos pecados
E você dirá que isso é o que eu recebo quando deixo a ambição ganhar
Eu odiaria te decepcionar, então eu deixarei as águas subirem
E afogarem meu reflexo ridículo na expectativa ingênua em seus olhos
De volta àquele pequeno momento
Quando eu me sentia mais livre
Eu tinha um coração de […]
E ninguém pensou que eles me conheciam
Então, antes que o regimento recomece
Antes que o temido sol apareça
Meu motorista está esperando, então vamos deixar uma coisa clara
Você vê uma forma iluminada
Eu vejo o desenho de uma camisa
Eu não sou seu salvador e você não é meu amigo
Você não é meu amigo
Você não é meu amigo
Eu não sou seu salvador e você não é meu amigo
Você vê uma forma iluminada
Eu vejo o desenho de uma camisa
Eu não sou seu salvador e você não é meu amigo

Eu me vejo no reflexo dos olhos das pessoas
Percebo que o que eles veem não deve estar nem perto do que eu vejo de mim mesmo
E eu odeio que eu possa estar com mais medo […]
Eu sinto que eles sabem a história
Eu vi um urso flutuando no rio
E pensei que era um casaco de peles
Há doze anos eu fiquei na margem do rio
Salto e pego o casaco
E o rio está correndo em direção a uma cachoeira
E meu amigo ficou na margem e gritou
Para soltar o casaco e nadar de volta à terra
Eu solto o casaco, mas o casaco não me solta
Em qualquer caso, por favor me avise se houver mais que eu possa lhe dar
Se não puder, então apenas saiba que somos gratos