Hayley Williams entrevista Zane Lowe da Beats 1

Numa entrevista um pouco diferenciada, Hayley Williams assume o papel de entrevistadora durante sua conversa com Zane Lowe, do canal Beats 1 e falam um pouco sobre os avanços da indústria da música e os novos desafios nesse ramo.

Confira a tradução completa a seguir:

A entrevista principal com o âncora do Beats 1, Zane Lowe, na conferência Music Biz, em Nashville, no domingo, teve um formato contraintuitivo: ele foi entrevistado por alguém  muito mais famoso do que ele, a vocalista do Paramore, Hayley Williams. Apesar de seu poder de estrela, a cantora interpretou seriamente o papel de entrevistadora e permitiu a Lowe ter os holofotes, embora ambos falassem sobre o poder que os artistas têm neste mundo ultra-conectado.

Lowe disse que quando ele se juntou ao Beats 1 em 2015, ele enfrentou alguns desafios em uma plataforma de streaming da BBC Radio 1. Ele disse que um amigo da indústria lhe deu uma perspectiva valiosa depois que Lowe afirmou que não sentia o mesmo propósito, agora que a música é tão amplamente acessível. “Ele me disse: ‘Você está perdendo completamente o ponto: nunca foi sobre quando você tinha o disco, foi como você tocou o disco'”, Lowe disse. “Isso mudou tudo em grande escala: tivemos que fazer o nosso trabalho [e descobrir como] ser uma parte realmente valiosa da nova música.”

Lowe também falou sobre as formas pelas quais a cultura do streaming levou o poder para as mãos dos artistas, uma mudança que para ele ganhou força nos últimos quatro anos, citando Billie Eilish e Chance the Rapper como dois exemplos de artistas que usam ferramentas criativas para distribuir seus trabalhos. Williams explicou como o streaming é natural para ela como artista e integrante de uma banda nascida na era digital. “Para mim, como artista, é estranho que isso nunca tenha sido normal para nós, porque éramos sempre tão teimosos e inflexíveis quanto à aparência de um ciclo de álbuns. Ser capaz de cortar o intermediário dessa maneira, eu me sinto mais conectada ao ouvinte agora do que entre 2007-2015 ”, disse ela.

No entanto, Williams admitiu que levou algum tempo para se acostumar com o streaming, porque cresceu descobrindo novas bandas quando eles faziam turnês com seus artistas favoritos, e fazendo visitas frequentes à popular loja de discos de Nashville: Grimey. “Foi assim que descobri tantas bandas legais”, lembrou ela. “Podemos não ter essa experiência exata agora, mas eu realmente amo o que a playlist fez para mim como consumidora de música, como alguém que realmente precisa descobrir coisas.”

Williams diz que seus colegas de banda do Paramore, Taylor York e Zac Farro, foram os que abriram seus olhos para o streaming. Ela fez comparações com seus tempos de ensino médio, quando York encontrava suas novas bandas favoritas e Farro fazia os CDs de mixagem – eventualmente, esses CDs se transformavam em playlists. “À medida que envelhecemos, eles estavam usando mais os serviços de streaming, enquanto eu ainda tentava ser super romântica, ir ao Grimey e comprar meus discos”, diz Williams. “Para mim, não foi até [o álbum de 2017 da banda]” o After Laughter que o streaming se tornou uma parte muito interessante da estratégia de lançamento.”

Lowe também falou da importância que uma mensagem pode ter em atrair fãs para um trabalho, citando o álbum “4:44” de Jay Z como sendo centrado em torno de um tema (compensando as transgressões que sua esposa Beyonce abordou em seu álbum Lemonade) ao invés de apontando para um hit de rádio. “É sobre entender seu público e saber o que você acha que vai chamar a atenção deles”, disse ele. “É uma extensão dos temas e do clima do disco: você vai servir ao propósito desse projeto para que o público entenda de forma mais profunda o que isso significa para você.”

De fato, ele diz que pode ser uma fundação da conexão entre artista e ouvinte. “Os artistas realmente fazem música porque querem empatia”, disse Lowe. “Estamos descobrindo muito mais sobre nós mesmos como pessoas em termos de nossas vulnerabilidades e nossas inseguranças e emoções. Uma das coisas que eu acho que é realmente importante é que a conversa em torno do espírito humano continua a ser barulhenta – e a música é a essência, uma das maneiras mais poderosas de ampliar essa conversa ”.

Carolina Queiroz

Pernambucana. 21 anos. | Fã de Paramore desde 2008 | amante de música e fotografia | @bewareofcarol on Instagram & Twitter.